Morte de Teori expõe STF e articulação do Planalto

Com a morte do ministro Teori Zavascki, a presidente do STF, Cármen Lúcia, pode redistribuir a relatoria da Lava Jato por sorteio na 2ª Turma, à qual pertencia Zavascki e da qual fazem parte os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes; diante dessa possibilidade, as relações de Gilmar e Michel Temer despertam desconfianças; o ministro é também presidente do TSE, onde tramita um processo de cassação da chapa Dilma-Temer, eleita em 2014

Com a morte do ministro Teori Zavascki, a presidente do STF, Cármen Lúcia, pode redistribuir a relatoria da Lava Jato por sorteio na 2ª Turma, à qual pertencia Zavascki e da qual fazem parte os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes; diante dessa possibilidade, as relações de Gilmar e Michel Temer despertam desconfianças; o ministro é também presidente do TSE, onde tramita um processo de cassação da chapa Dilma-Temer, eleita em 2014
Com a morte do ministro Teori Zavascki, a presidente do STF, Cármen Lúcia, pode redistribuir a relatoria da Lava Jato por sorteio na 2ª Turma, à qual pertencia Zavascki e da qual fazem parte os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes; diante dessa possibilidade, as relações de Gilmar e Michel Temer despertam desconfianças; o ministro é também presidente do TSE, onde tramita um processo de cassação da chapa Dilma-Temer, eleita em 2014 (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com a morte do ministro Teori Zavascki, relator da Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, tornam-se delicadas as articulações para seu substituto, tanto na corte quanto na relatoria da investigação.

A presidente do STF, Cármen Lúcia, pode redistribuir a relatoria da Lava Jato por meio de sorteio na 2ª Turma, à qual pertencia Zavascki e da qual fazem parte os ministros Celso de Mello, Ricardo Lewandowski, Dias Toffoli e Gilmar Mendes, lembra reportagem da CartaCapital.

Diante dessa possibilidade, as relações de Gilmar e Michel Temer despertam desconfianças - o ministro foi recebido na noite deste domingo 22 no Palácio Jaburu, com Moreira Franco, ministro de Temer.

Gilmar é também presidente do Tribunal Superior Eleitoral, onde tramita um processo de cassação da chapa Dilma-Temer, eleita em 2014. No domingo, portanto, ocorreu uma conversa entre um juiz e dois delatados na Lava Jato, além de um investigado no TSE.

A CartaCapital destaca que a indicação do substituto de Zavascki pode servir para Temer se proteger da ação que tramita contra ele no TSE. De acordo com o site Poder 360º, um dos cotados à vaga de Zavascki no Supremo é o relator dessa ação no TSE, o ministro Herman Benjamin, que recebeu alguns elogios por dar celeridade ao processo que pode destituir Temer.

Leia aqui a íntegra.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email