Mourão diz que operação militar inédita com EUA na Amazônia é “normal”

Questionado sobre a Venezuela, o general disse que o Brasil não tem problema com o país, apesar de não concordar com o atual governo de Nicolás Maduro, por considerá-lo uma ditadura

Hamilton Mourão
Hamilton Mourão (Foto: Alan Santos/PR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quarta-feira, 14, que a operação militar na Amazônia é "normal" e que o fato de ocorrer durante a visita do secretário de Estado americano, Mike Pompeo, ao Brasil foi "coincidência", de acordo com o jornal O Globo.

“Isso é normal dentro do Exército, é feita anualmente em todos os comandos militares de área. A regra básica é a seguinte: treinamento difícil, combate fácil. O Exército tem que estar pronto para qualquer situação, se ele não treinar... É que nem time de futebol: se não treina, perde o jogo”, disse.

Entre 8 e 22 de setembro, o Exército gastou R$ 6 milhões somente em combustível, horas de voo e transporte para simular uma guerra entre dois países na Amazônia, numa operação militar inédita.

Questionado sobre a Venezuela, o general disse que o Brasil não tem problema com o país, apesar de não concordar com o atual governo de Nicolás Maduro, por considerá-lo uma ditadura.

“O governo brasileiro não tem nenhuma tensão em relação à Venezuela. Nós, simplesmente, não concordamos com o atual governo que tá lá, o governo Maduro, por considerar que é uma ditadura, não respeita os direitos humanos do povo venezuelano, mas nós não temos problemas com o país Venezuela”, afirmou.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247