Mourão “fere decoro do cargo” ao venerar o torturador Ustra, diz Comissão Arns

"Não é de hoje que autoridades do atual governo exaltam a figura macabra do ex-chefe do DOI-Codi, de cujos porões emergiram inesquecíveis relatos de terror contra brasileiros", diz nota da Comissão, lembrando ainda que, segundo a Constituição, "tortura é crime inafiançável, insuscetível de graça ou anistia"

(Foto: ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Revista Fórum - A Comissão de Defesa dos Direitos Humanos Dom Paulo Evaristo Arns – Comissão Arns – divulgou nota de repúdio nesta sexta-feira (10) à declaração do vice-presidente, general Hamilton Mourão, que em entrevista ao programa Conflict Zone, da TV alemã Deutsche Welle, classificou o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, um dos mais notórios torturadores da ditadura, como “homem de honra e que respeitava os direitos humanos de seus subordinados”.

“Ao proferir tais elogios, Hamilton Mourão conspurca, de saída, a honra dos militares brasileiros. Ao fazê-lo na condição de vice-presidente, constrange a Nação e desrespeita a memória dos que tombaram sob Ustra. E, ao insistir em reverenciar o carrasco, fere mais uma vez o decoro do cargo em que foi investido sob juramento de respeitar a Constituição. É ela que nos ensina: ‘Tortura é crime inafiançável, insuscetível de graça ou anistia’”, diz a nota, encabeçada por Margarida Genevois, presidente de honra da Comissão Arns.

No texto, a Comissão lembra que a Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, liderada por Dom Paulo Evaristo Arns, reuniu mais de 500 denúncias de tortura no DOI-Codi comandado por Ustra.

Leia mais na Fórum.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247