Movimentos sociais fazem ato na Avenida Paulista em apoio aos petroleiros

Movimentos sociais realizaram em um ato unificado em apoio a greve dos petroleiros na avenida Paulista, região central de São Paulo (SP), nesta quinta-feira (20). "Estamos aqui, resistindo com os companheiros petroleiros contra o neoliberalismo e esse governo que quer entregar nossas riquezas”, disse o coordenador da Central dos Movimentos Populares, Raimundo Bomfim

(Foto: FUP)

Igor Carvalho, Brasil de Fato - Na noite desta quinta-feira (20), os petroleiros receberam o apoio de diversos movimentos em um ato unificado na avenida Paulista, região central de São Paulo (SP). 

“Estamos aqui, resistindo com os companheiros petroleiros contra o neoliberalismo e esse governo que quer entregar nossas riquezas”, afirmou Raimundo Bomfim, coordenador da Central dos Movimentos Populares. 

Duas mil pessoas participaram da manifestação, de acordo com a organização do ato, convocado pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo. Os manifestantes saíram do Museu de arte de São Paulo (Masp) e marcharam até o número 500 da avenida Paulista, onde funcionava uma sede da Petrobras. 

Bomfim celebrou, ainda, a repercussão da paralisação de 20 dias dos petroleiros. “Não é à toa que o governo e a direção da empresa chamaram o sindicato para negociar, foram 20 dias de enfrentamento ao governo e à mídia, que querem a privatização da Petrobras.”

Alexandre Castilho, diretor do Sindicato dos Petroleiros Unificado do Estado de São Paulo (Sindipetro-SP),  comentou o apoio. “Apesar do boicote de grande parte da mídia, a nossa paralisação ganhou adesão da sociedade, chegou às redes sociais e obrigou a imprensa a cobrir nossa movimentação. É importante todo apoio dos movimentos que estão aqui, mostra que a defesa da Petrobras é amplo e interessa a toda classe trabalhadora”, encerra. 

Paralisação 

No 19º dia da greve, os trabalhadores da Petrobras aprovaram a suspensão provisória da greve após reunião do conselho deliberativo da Federação Única dos Petroleiros (FUP) na última quarta-feira (19).

O indicativo de interrupção é motivado pela abertura de diálogo da empresa com os trabalhadores e precisa ser votado em assembleias na base, que começaram nesta quinta-feira (20) e devem continuar durante a sexta-feira (21).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247.Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247