MP: Petrobras era vítima de esquema “gigantesco”

Investigadores da Lava Jato apresentam nesta tarde denúncias formais contra 35 pessoas, vinculadas a seis empreiteiras, envolvidas no esquema de corrupção em contratos da Petrobras; estatal "pagava de forma sobrevalorada pelas obras das grandes empreiteiras", explicou o procurador Deltan Dallagnol, que chamou o caso de "imenso e gigantesco esquema criminoso"; busca de ressarcimento mínimo aos cofres públicos é de R$ 1 bilhão; operações denunciadas envolvem R$ 300 milhões; procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chamou esquema de "aula de crime", que "roubou o orgulho dos brasileiros"

Investigadores da Lava Jato apresentam nesta tarde denúncias formais contra 35 pessoas, vinculadas a seis empreiteiras, envolvidas no esquema de corrupção em contratos da Petrobras; estatal "pagava de forma sobrevalorada pelas obras das grandes empreiteiras", explicou o procurador Deltan Dallagnol, que chamou o caso de "imenso e gigantesco esquema criminoso"; busca de ressarcimento mínimo aos cofres públicos é de R$ 1 bilhão; operações denunciadas envolvem R$ 300 milhões; procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chamou esquema de "aula de crime", que "roubou o orgulho dos brasileiros"
Investigadores da Lava Jato apresentam nesta tarde denúncias formais contra 35 pessoas, vinculadas a seis empreiteiras, envolvidas no esquema de corrupção em contratos da Petrobras; estatal "pagava de forma sobrevalorada pelas obras das grandes empreiteiras", explicou o procurador Deltan Dallagnol, que chamou o caso de "imenso e gigantesco esquema criminoso"; busca de ressarcimento mínimo aos cofres públicos é de R$ 1 bilhão; operações denunciadas envolvem R$ 300 milhões; procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chamou esquema de "aula de crime", que "roubou o orgulho dos brasileiros" (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Os procuradores da Operação Lava Jato apresentaram na tarde desta quinta-feira 11 denúncias formais contra 35 pessoas envolvidas no esquema de corrupção em contratos da Petrobras. Dessas, 22 são vinculadas a seis grandes empreiteiras brasileiras. A expectativa é que o juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato, aceite as denúncias até esta sexta, e os investigados passam a ser réus. 

Na apresentação dos detalhes de como funcionava o esquema, o procurador do Paraná Deltan Dallagnol colocou a Petrobras como "vítima" de um "imenso e gigantesco esquema criminoso". A estatal do petróleo "pagava de forma sobrevalorada as obras dessas empreiteiras", explicou. 

O MP pede o ressarcimento mínimo de R$ 971 milhões aos cofres públicos. O procurador enfatizou, no entanto, que se trata de um ressarcimento "mínimo". "Buscaremos mais", anunciou. De acordo com Dallagnol, o montante envolvendo contratos falsos do esquema chega a R$ 75 bilhões. As operações criminosas denunciadas hoje envolvem R$ 300 milhões.

O procurador enfatizou que "a investigação continua, o trabalho do Ministério Público não para por aqui". E assegurou, em referência às empreiteiras, que "não existe acordão para o Ministério Público Federal", uma prática considerada "imoral e ilegal" pelo órgão.

Questionado sobre empresas que não entraram nessa leva de denúncias, como Odebrecht, Dallagnol informou que "este é apenas um pacote de denúncias", e que "novas acusações virão, inclusive de improbidade contra empresas cartelizadas". Segundo ele, foi necessário priorizar essas empresas, pois tinham executivos presos. As pessoas denunciadas nesta quinta são ligadas à Camargo Corrêa, Engevix, Galvão Engenharia, Mendes Júnior, OAS e UTC. 

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, chamou o detalhamento do esquema de "aula de crime" e "esquemas do subterrâneo, da opacidade, da escuridão". As pessoas envolvidas no caso, disse ele, "roubaram o orgulho dos brasileiros".

Integrantes da força tarefa da Operação Lava Jato sugerem, junto com as denúncias, um pacote de medidas que visa combater com mais eficácia a corrupção. Medidas "para transformar o País", conforme defendem. Com o apoio do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, os investigadores propõem mudanças na legislação.

Na avaliação do grupo, o caso da Petrobras "estarreceu a todos, mas não transformou o Brasil", segundo reportagem publicada no blog do jornalista Fausto Macedo. Até agora, segundo eles, o caso envolvendo políticos e executivos de grandes empreiteiras "só deixou o Brasil assustado".

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247