MPF busca nas Bahamas R$ 113 milhões atribuídos a operador do PSDB

Cerca de R$ 113 milhões – dinheiro de propinas que delatores da Odebrecht atribuem ao PSDB –podem estar em uma conta sigilosa nas Bahamas; investigadores da Polícia Federal aguardam informações do sistema bancário do país caribenho para iniciarem os procedimentos de investigação; tudo indica que o montante foi movimentado por Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, ex-diretor da Dersa na gestão de José Serra

MPF busca nas Bahamas R$ 113 milhões atribuídos a operador do PSDB
MPF busca nas Bahamas R$ 113 milhões atribuídos a operador do PSDB (Foto: José Cruz/ABr)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Cerca de R$ 113 milhões – dinheiro de propinas que delatores da Odebrecht atribuem ao PSDB –podem estar em uma conta sigilosa nas Bahamas. Investigadores da Polícia Federal aguardam informações do sistema bancário do país caribenho para iniciarem os procedimentos de investigação. Tudo indica que o montante foi movimentado por Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, ex-diretor da Dersa na gestão de José Serra.

"De acordo com as autoridades suíças, o suposto operador do PSDB abriu quatro contas no banco Bordier & Cie, em Genebra, logo após ser nomeado para a empresa estatal, em 2007, durante o governo de Serra. Os investigadores suspeitam que os milhões eram propinas pagas pela Odebrecht para conseguir facilidades nas obras do estado de São Paulo.

A investigação da Polícia Federal indica que a última movimentação do dinheiro foi em destino ao banco Deltec Trust Limited, em Nassau, Bahamas. A pequena ilha é tida como um ‘paraíso fiscal’, utilizado por magnatas para esconder dinheiro de origens ilícitas, ocultar patrimônio e evitar o pagamento de impostos."

Leia mais aqui. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247