MPF questiona Damares por ocultar denúncias do relatório da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos

Ofício encaminhado pelo Ministério Público Federal (MPF) ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos solicita informações sobre o relatório da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos de 2019, que teve respostas e encaminhamentos de queixas omitidas pela pasta da ministra Damares Alves

Damares, é menina ou menino, menina?
Damares, é menina ou menino, menina? (Foto: Fabio Pozzebom - ABR)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Ministério Público Federal (MPF) encaminhou um ofício ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, para solicitar informações sobre o relatório da Ouvidoria Nacional de Direitos Humanos de 2019, documento que reúne denúncias recebidas pelo Disque Direitos Humanos (Disque 100), Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), e Conselhos Tutelares, após a pasta da ministra Damares Alves omitir respostas e encaminhamentos de queixas. A reportagem é do portal RBA. 

Entre as violações relatadas, estão 86.837 denúncias de violência contra crianças e adolescentes. O ofício assinado pelo procurador federal dos Direitos do Cidadão, Carlos Alberto Vilhena, questiona a quantidade de manifestações realizadas, o total de denúncias formalizadas, encaminhadas e analisadas pelos órgãos de apuração e proteção, acrescenta a reportagem. 

O MPF também pede detalhes sobre as denúncias de violações cometidas contra outros grupos, como pessoas com deficiência, LGBTs, mulheres, negros, indígenas e população de rua. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email