MST lança plano de reforma agrária popular para superar a crise

Plano Emergencial de Reforma Agrária Popular, que está sendo lançado nesta sexta-feira (5) elenca medidas de proteção e de estímulo à produção rural, além de propostas para a democratização do acesso à terra, a distribuição de riquezas e a defesa de direitos sociais

(Foto: MST)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) lança, nesta sexta-feira (5), um Plano Emergencial de Reforma Agrária Popular que elenca uma série de medidas de proteção e de estímulo à produção rural, além de propostas para a democratização do acesso à terra, a distribuição de riquezas e a defesa dos direitos dos trabalhadores rurais e dos povos tradicionais.  

“A pandemia do novo Coronavírus que até o momento já infectou mais de 550 mil pessoas e matou mais de 30 mil no Brasil, evidenciou o tamanho da crise econômica enfrentada pelo país. Crise essa que é anterior ao surto global da doença e que tem como causa principal a política econômica do governo de Jair Bolsonaro, que caminha na direção da austeridade, com cortes profundos nos investimentos públicos”, destaca o MST em nota.

“O Plano, lançado no dia mundial do meio ambiente, 5 de junho, tem objetivo de pautar a reforma agrária na sociedade, destacando que também vivenciamos uma crise ambiental que se relaciona à pandemia e vem sendo gerada pela exploração insustentável dos bens naturais. Como resposta a essas crises o MST aponta suas múltiplas ações em torno da preservação ambiental, como o plantio massivo de árvores e a produção de alimentos agroecológicos, assinalando que a reforma agrária é fundamental para garantir que as grandes cidades sejam abastecidas com alimentos saudáveis, a preço acessível”, completa o texto. 

O lançamento do Plano Emergencial de Reforma Agrária Popular conta com a participação de artistas como Emicida, Suricate Seboso, Rita Von Hunty, Fioti, entre outros. As ações de lançamento acontecem de forma simultânea em 21estados. 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247