"Não é justo que empresas não paguem a Previdência", diz Tasso

"Na crise que estamos vivendo, em que nós estamos atingindo duramente servidores privados do INSS e servidores federais, não é justo que tenham entes ou empresa que não pagam a Previdência, que não contribuem para a Previdência“, declarou o relator da reforma no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE)

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O relator da reforma da Previdência no Senado, Tasso Jereissati (PSDB-CE), defendeu a cobrança de contribuições previdenciárias para empresas do agronegócio e entidades filantrópicas.

“Eu espero que não porque são justas, porque na crise que estamos vivendo, em que nós estamos atingindo duramente servidores privados do INSS e servidores federais, não é justo que tenham entes ou empresa que não pagam a Previdência, que não contribuem para a Previdência“, declarou Jereissati, sobre o assunto que depende da votação de uma proposta paralela, que ainda precisará passar pela Câmara.

A desoneração do governo ao setor ruralista e filantrópicas representou uma perda aos cofres públicos de R$ 120 bilhões em 10 anos — R$ 60 bilhões referente às filantrópicas e R$ 60 bilhões referentes ao agronegócio. 

O relator também defendeu uma cobrança no Simples destinada a incentivar micro e pequenas empresas na prevenção de acidentes de trabalho, o que pode render R$ 35 bilhões em receitas ao longo de dez anos.

“Acho que todo mundo que tem condições tem que contribuir para a Previdência”, disse Tasso, afirmando que as cobranças não são impostos, mas contribuições previdenciárias.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email