Nassif: FHC é a prova maior do subdesenvolvimento político nacional

Para o jornalista Luis Nassif, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso "talvez seja a expressão máxima da mediocridade do pensamento político nacional"; "Agora, publicou um livro com o que áulicos denominam de seu pensamento vivo. O tal pensamento vivo nada mais é do que uma compilação dos princípios originais, que supunha-se guiariam o PSDB, acrescido do componente moral", ressalta; para ele, "a tentativa de colocá-lo como contraponto a Lula, é a prova maior da inviabilidade de um certo tipo de pensamento de direita"

Para o jornalista Luis Nassif, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso "talvez seja a expressão máxima da mediocridade do pensamento político nacional"; "Agora, publicou um livro com o que áulicos denominam de seu pensamento vivo. O tal pensamento vivo nada mais é do que uma compilação dos princípios originais, que supunha-se guiariam o PSDB, acrescido do componente moral", ressalta; para ele, "a tentativa de colocá-lo como contraponto a Lula, é a prova maior da inviabilidade de um certo tipo de pensamento de direita"
Para o jornalista Luis Nassif, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso "talvez seja a expressão máxima da mediocridade do pensamento político nacional"; "Agora, publicou um livro com o que áulicos denominam de seu pensamento vivo. O tal pensamento vivo nada mais é do que uma compilação dos princípios originais, que supunha-se guiariam o PSDB, acrescido do componente moral", ressalta; para ele, "a tentativa de colocá-lo como contraponto a Lula, é a prova maior da inviabilidade de um certo tipo de pensamento de direita" (Foto: Paulo Emílio)

247 - O jornalista Luis Nassif destaca em um artigo publicado no portal GGN que o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso "talvez seja a expressão máxima da mediocridade do pensamento político nacional". "No seu governo, limitou-se a entregar a gestão da política monetária e cambial ao mercado, sem jamais ter conseguido desenvolver uma proposta para o país, uma visão original ou não. Produziu a maior dívida pública da história, sem contrapartida de ativos, liquidou com algumas vantagens comparativas nacionais, como o custo da energia elétrica, abandonou qualquer veleidade de política social em larga escala, abriu mão da coordenação dos cursos superiores", relembra. 

"Agora, publicou um livro com o que áulicos denominam de seu pensamento vivo. O tal pensamento vivo nada mais é do que uma compilação dos princípios originais, que supunha-se guiariam o PSDB, acrescido do componente moral. Pior: foi saudado por alguns analistas como uma revolução no pensamento político nacional. O que ele propõe é o meio-termo entre o mercadismo desregrado e a estatização desvairada, com as bandeiras recentes do moralismo. Nada além do que o PSDB pregava no seu início", destaca. 

"Sua vaidade vazia, sua falta de compromisso com as palavras, a superficialidade de suas ideias, é a maior mostra do subdesenvolvimento brasileiro. A tentativa de colocá-lo como contraponto a Lula, a prova maior da inviabilidade de um certo tipo de pensamento de direita", avalia.

Leia a íntegra no GGN.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247