"Nova corrida do ouro": 1,8 mil estão no Rio Madeira para garimpo ilegal, diz reportagem

Com mais de 300 balsas no Rio Madeira, mais de 1,8 mil garimpeiros estão no município de Autazes, no Amazonas, numa “nova corrida de ouro” com mineração ilegal, informa o portal Amazônia Real. A região é uma das mais preservadas da Amazônia Ocidental

(Foto: Reuters / Bruno Kelly)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Com mais de 300 balsas no Rio Madeira, mais de 1,8 mil garimpeiros estão no município de Autazes, no Amazonas, numa “nova corrida de ouro” com mineração ilegal, informa o portal Amazônia Real. A região é uma das mais preservadas da Amazônia Ocidental, destaca o jornal.

A bióloga e secretária de Meio Ambiente do município, Elaine Galvão, afirmou ao portal que "os comunitários se sentem apreensivos até de denunciar porque têm medo, mas eles trouxeram essas denúncias porque estão preocupados com o impacto que vão sofrer”.

Na quarta-feira, 24, O Ministério Público Federal (MPF) expediu uma recomendação pedindo a adoção emergencial de ações para retirada de garimpeiros ilegais que se instalaram no Rio Madeira, próximo à comunidade de Rosário, no município de Autazes, a 113 km de Manaus.

PUBLICIDADE

Segundo o vice-presidente, general Hamilton Mourão, a Polícia Federal e a Marinha preparam uma ação de repressão aos garimpeiros ilegais que estão atuando no rio Madeira, no Estado do Amazonas, e afirmou que existe uma suspeita de envolvimento do tráfico de drogas.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email