Novo ministro do Ambiente pode ficar inelegível 8 anos

O Ministério Público Federal acusa Ricardo Salles, nomeado ministro do Meio Ambiente pelo presidente eleito Jair Bolsonaro de gastar R$ 260 mil para propaganda eleitoral antecipada; pode ficar inelegível por oito anos

Novo ministro do Ambiente pode ficar inelegível 8 anos
Novo ministro do Ambiente pode ficar inelegível 8 anos (Foto: REUTERS/Adriano Machado)

247 - Reportagem de Phillippe Watanabe na Folha de S.Paulo indica que Ricardo Salles, futuro ministro do Meio Ambiente do governo Jair Bolsonaro (PSL), foi acusado, nesta terça (11), pelo Ministério Público Federal (MP), de abuso de poder econômico e uso indevido de meios de comunicação nas eleições de 2018. O órgão pede a inelegibilidade de Salles por oito anos.

O futuro ministro foi candidato neste ano, pelo partido Novo, a deputado federal, mas não conseguiu se eleger. Hoje ocupa a primeira suplência para o cargo pela sigla.

A acusação se soma à ação de improbidade administrativa por suspeita de ocultação de alterações em mapas de zoneamento ambiental do rio Tietê, na Grande São Paulo, durante o período em que Salles foi secretário de Meio Ambiente do governo de São Paulo na gestão de Geraldo Alckmin (PSDB).

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247