O capitão fugiu do debate, desertou, diz Mello Franco

Jornalista Bernardo Mello Franco observa que o debate marcado para esta sexta-feira (26), na TV Globo, entre os candidatos Fernando Haddad (PT), e Jair Bolsonaro (PSL), foi "cancelado por motivos de fuga. O capitão fugiu do combate. Desertou"; "A recusa é um desrespeito ao eleitor, que tem o direito de saber o que pensam os candidatos. Também serve como um sinal de que, se eleito presidente, ele continuará a se esconder do escrutínio da imprensa", avalia; "O que mais ele fará se chegar ao Planalto?", pergunta

O capitão fugiu do debate, desertou, diz Mello Franco
O capitão fugiu do debate, desertou, diz Mello Franco
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Bernardo Mello Franco observa, em sua coluna no O Globo, que o debate marcado para esta sexta-feira (26), na TV Globo, entre o candidato do campo democrático, Fernando Haddad (PT), e o candidato de extrema direita, Jair Bolsonaro (PSL), foi "cancelado por motivos de fuga. O capitão fugiu do combate. Desertou"

Segundo ele, assim como no primeiro turno "o capitão acredita que o arrego vai prejudicar seu adversário. Pode ser, mas quem mais perde é o eleitor. A três dias das urnas, e o favorito para assumir o governo continua a esconder suas ideias", diz. "Bolsonaro costuma se esquivar de perguntas objetivas com chavões que já viraram piada, como "Tem que mudar isso aí" e "Não dá pra continuar desse jeito". A fórmula funciona na propaganda e nos comícios de Facebook. Quando ele pode ser contestado, é outra história", afirma o jornalista.

"A recusa é um desrespeito ao eleitor, que tem o direito de saber o que pensam os candidatos. Também serve como um sinal de que, se eleito presidente, ele continuará a se esconder do escrutínio da imprensa", avalia. "O que mais ele fará se chegar ao Planalto?", pergunta.

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247