"O contrato deve ser investigado", cobra José Eduardo Cardozo, após Moro divulgar em live pagamentos da Alvarez & Marsal

Ex-ministro da Justiça no governo Dilma Rousseff disse que "parece evidente que há conflito de interesses e o contrato deve ser investigado"

www.brasil247.com - José Eduardo Cardozo e Sérgio Moro
José Eduardo Cardozo e Sérgio Moro (Foto: ABr)


247 - Para o ex-ministro da Justiça do governo Dilma Rousseff, José Eduardo Cardozo, a revelação de quanto o ex-juiz suspeito Sergio Moro recebeu da Alvarez & Marsal, feita em live nesta sexta-feira (28), “não resolve o problema”. A empresa administra os escombros da Odebrecht, alvo da Lava Jato, operação confessadamente conduzida por Moro, que, por sua vez, foi depois contratado pela consultoria após a execução da operação.

Moro recebeu, no total, 690.000 dólares, recebeu algo como 3,7 milhões de reais na conversão do momento (18:35, 28 de janeiro). Tudo, segundo Moro, foi declarado. De acordo com informações divulgadas pelo jornalista Lauro Jardim, ele recebeu um total de US$ 656 mil nos doze meses de contrato com a consultoria, entre 23 de novembro de 2020 e 26 de novembro do ano passado.

“É um valor bastante elevado. Parece evidente que há conflito de interesses e o contrato deve ser investigado”, diz Cardozo, à revista Veja.

"Pode um juiz que julgou empresas e homologou delações premiadas de dirigentes dessas empresas atuar dando consultoria para a companhia que tem relação com as empresas julgadas por ele? Parece evidente que há conflito de interesses, em grau bem mais acentuado do aquele que Moro condenava quando isso acontecia com outras pessoas. O juiz Sergio Moro decretaria medidas de apuração desse contrato dele. Não só determinaria buscas e apreensões como também uma prisãozinha preventiva para que esse Sergio Moro consultor delatasse eventuais comparsas. Acho que o seu contrato deve ser investigado e essa divulgação não resolve definitivamente o problema".

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email