O nome disso é fascismo, diz Haddad sobre ações policiais nas universidade

Ex-ministro da Educação, Fernando Haddad criticou o pedido do governo de Jair Bolsonaro para que o Supremo Tribunal Federal autorize realização de operações policiais em universidades públicas e privadas; pedido está nas mãos da ministra Cármen Lúcia; "O nome disso é fascismo?", indagou; para a deputada Erika Kokay (PT-DF), pedido do governo deixa claro "que a liberdade de expressão e o pensamento crítico são inimigos desse governo autoritário"

O nome disso é fascismo, diz Haddad sobre ações policiais nas universidade
O nome disso é fascismo, diz Haddad sobre ações policiais nas universidade
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Fernando Haddad, ex-ministro da Educação, criticou o pedido feito pelo governo do presidente Jair Bolsonaro ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que autorize realização de operações policiais em universidades públicas e privadas para apurar irregularidades eleitorais.

Em sua página no Twitter, Haddad indagou: "O nome disso é fascismo?", anexando uma reportagem sobre o assunto publicada no site do G1.

O pedido foi apresentado antes do segundo turno da eleição, mas a AGU da atual gestão opinou dentro de ação. A procuradora-geral da República (PGR), Raquel Dodge, pediu suspensão de operações depois de pelo menos nove estados brasileiros terem sido alvos de ações para averiguar denúncias de campanhas político-partidárias dentro dos estabelecimentos.

"Ressalte-se que a universidade deve sim ser reconhecida como um espaço de livre debate de ideias, mas sem a prevalência de corrente de pensamento específica, e que, eventualmente, essa parcialidade possa interferir no processo eleitoral de forma ilegal", diz a AGU no parecer apresentado na última sexta-feira (24).

A deputada federal Erika Kokay (PT-DF) disse que o pedido deixa muito claro "que a liberdade de expressão e o pensamento crítico são inimigos desse governo autoritário". "O que Bolsonaro quer é autorização para perseguir estudantes e professores!", rebateu a deputada.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247