OAB vai ao STF para que Rodrigo Maia analise impeachment de Temer

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolou no STF um mandado de segurança por omissão contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ); a entidade pede que sejam analisados 25 pedidos de impeachment contra Michel Temer que estão pendentes

Brasília - Os presidente da República, Michel Temer, do Senado, Renan Calheiros e da Câmara, Rodrigo Maia durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto (Antonio Cruz/Agência Brasil)
Brasília - Os presidente da República, Michel Temer, do Senado, Renan Calheiros e da Câmara, Rodrigo Maia durante coletiva de imprensa no Palácio do Planalto (Antonio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) acionou o Supremo Tribunal Federal contra o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), por omissão.

O motivo: o deputado mantém pendentes, sem análise, 25 pedidos de impeachment apresentados contra Michel Temer. Destes, 22 são referentes à delação da JBS.

A própria OAB pediu a abertura de processo contra Temer no dia 25 de maio. A entidade pede ao Supremo para que Maia tenha um prazo para a análise dos pedidos. 

"Embora o artigo mencionado não estipule um prazo para que seja realizado tal ato, o não processamento da denúncia pelo Excelentíssimo Presidente da Câmara dos Deputados representa ato ilegal e omissivo e, ao final, revela grave violação aos preceitos constitucionais", afirma a entidade, em ação assinada pelo presidente Claudio Lamachia.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email