OIT pode colocar Brasil na lista de países que violaram convenções

O Brasil pode entrar na lista dos 24 casos mais graves de violações das convenções e recomendações da OIT cometidos por empresas e governos em todo o mundo; decisão ocorrerá na Conferência Internacional do Trabalho, que será realizada na Suíça, em junho entre os dias 28 de maio e 8 de junho; "A CUT conseguiu colocar o Brasil na lista longa por violação às Convenções 98, 151 e 154 da OIT em função da reforma Trabalhista de Temer", diz o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa

O Brasil pode entrar na lista dos 24 casos mais graves de violações das convenções e recomendações da OIT cometidos por empresas e governos em todo o mundo; decisão ocorrerá na Conferência Internacional do Trabalho, que será realizada na Suíça, em junho entre os dias 28 de maio e 8 de junho; "A CUT conseguiu colocar o Brasil na lista longa por violação às Convenções 98, 151 e 154 da OIT em função da reforma Trabalhista de Temer", diz o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa
O Brasil pode entrar na lista dos 24 casos mais graves de violações das convenções e recomendações da OIT cometidos por empresas e governos em todo o mundo; decisão ocorrerá na Conferência Internacional do Trabalho, que será realizada na Suíça, em junho entre os dias 28 de maio e 8 de junho; "A CUT conseguiu colocar o Brasil na lista longa por violação às Convenções 98, 151 e 154 da OIT em função da reforma Trabalhista de Temer", diz o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa (Foto: Paulo Emílio)

CUTO Brasil pode entrar na lista dos 24 casos mais graves de violações das convenções e recomendações da Organização Internacional do Trabalho (OIT) cometidos por empresas e governos em todo o mundo, que serão investigadas na Comissão de Aplicação de Normas (CAN).

A decisão ocorrerá durante a 107ª Conferência Internacional do Trabalho da Organização Internacional do Trabalho (OIT), que será realizada em Genebra, Suíça, entre os dias 28 de maio e 8 de junho. A conferência vai reunir representantes de trabalhadores, empregadores e governos do mundo inteiro para debater políticas e normas para as relações laborais em nível global.

Entre os temas em destaque está a análise das violações mais graves contra os direitos da classe trabalhadora, explica o secretário de Relações Internacionais da CUT, Antônio Lisboa.

Segundo ele, colocar o Brasil na lista curta de 24 casos mais graves de violações das convenções e recomendações da OIT é a prioridade número 1 do movimento sindical internacional que se uniu à CUT Brasil nas denúncias contra de violações dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras impostas pela reforma Trabalhista (Lei nº 13.467, em vigor desde 11 de novembro do ano passado) do governo Michel Temer (MDB-SP).

O dirigente explica que, todo ano, a partir de uma avaliação prévia do Comitê de Peritos da OIT, especialistas em relações laborais do mundo todo, representantes de empregadores e trabalhadores estabelecem uma lista preliminar de 40 casos de graves violações, a chamada de "lista longa".

No início da Conferência, esses representantes negociam uma lista de 24 casos, a chamada "lista curta", que serão analisados na Comissão de Aplicação de Normas.

"Em 2017, a CUT conseguiu colocar o Brasil na lista longa por violação às Convenções 98, 151 e 154 da OIT em função da reforma Trabalhista de Temer", diz Lisboa.

Segundo ele, houve consenso sobre a importância do "Caso Brasil" ser analisado na Comissão, mas a denúncia não entrou na lista curta porque, naquele momento, junho de 2017, a reforma ainda não havia sido aprovada.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247