Operadores de Temer tentarão culpar Rocha Loures, provável delator

Na tentativa de blindar Michel Temer das investigações acerca do suposto pagamento de propinas por meio da edição de um decreto que beneficiou do setor portuário, aliados do emedebista avaliam que uma das estratégias a serem adotadas é transformar o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, flagrado com uma mala contendo R$ 500 mil em suborno pago pela JBS, em uma espécie de "boi de piranha; neste caso, seria imputada a Loures, que foi preso pela Polícia Federal, a responsabilidade pelas irregularidades investigadas no Inquérito dos Portos

Michel Temer e deputado Rodrigo da Rocha Loures (PMDB-PR),  pego com mala com propina de R$ 500 mil paga pela JBS .2
Michel Temer e deputado Rodrigo da Rocha Loures (PMDB-PR),  pego com mala com propina de R$ 500 mil paga pela JBS .2 (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Na tentativa de blindar Michel Temer das investigações acerca do suposto pagamento de propinas por meio da edição de um decreto que beneficiou do setor portuário, aliados do emedebista avaliam que uma das estratégias a serem adotadas é transformar o ex-assessor Rodrigo Rocha Loures, flagrado com uma mala contendo R$ 500 mil em suborno pago pela JBS, em uma espécie de "boi de piranha". Neste caso, seria imputada a Loures, que foi preso pela Polícia Federal, a responsabilidade pelas irregularidades investigadas no Inquérito dos Portos.

No final do ano passado, Loures disse, em seu depoimento à Polícia Federal, que não teria recebido dinheiro para atuar na defesa de interesses privados para que o Decreto dos Portos, assinado por Temer no ano passado, fosse aprovado.

No questionário de interrogatório enviado a Temer pela PF, os investigadores citaram o nome de Loures, que até então era considerado homem de extrema confiança de Temer, 38 vezes.

 

Nesta quinta-feira (29), a deflagração da Operação Skala resultou na prisão de aliados e amigos íntimos de Temer, dentre eles o advogado José Yunes e o coronel João Baptista Lima Filho, suspeitos de serem operadores do esquema, além do ex-ministro da Agricultura Wagner Rossi. 

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247