Padilha ensaia recuo do recuo sobre médicos cubanos

Ministro da Saúde responde à reportagem da Folha de S.Paulo e diz que o governo não desistiu de contratar profissionais da ilha para trabalhar no Brasil; pasta não nega, no entanto, que negociação para a vinda de seis mil médicos cubanos foi suspensa, e confirma que prioridades, agora, são Portugal e Espanha

Padilha ensaia recuo do recuo sobre médicos cubanos
Padilha ensaia recuo do recuo sobre médicos cubanos (Foto: Antonio Cruz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O Ministério da Saúde negou nesta segunda-feira ter desistido de contratar médicos cubanos para trabalhar no Brasil. A informação foi dada ao jornal O Globo como resposta a uma reportagem da Folha de S.Paulo, que noticia que o governo federal teria suspendido a negociação com Cuba para a vinda de seis mil profissionais da ilha. A contratação seria feita por meio do Programa Mais Médicos, que será anunciado nesta tarde no Palácio do Planalto.

A resposta da pasta é um ensaio do recuo do recuo por parte do ministro Alexandre Padilha. Apesar de negar que o governo desistiu dos cubanos, o ministério confirma a informação de que a ilha não é mais prioridade do programa, e sim profissionais de Portugal e Espanha. As justificativas do ministério são a facilidade do idioma e a experiência no trabalho com saúde da família em comunidades carentes.

O governo alega ainda que o Programa Mais Médicos não tem exclusão de nacionalidades. O único critério para a escolha do país é que não haja uma proporção de médicos para cada 1.000 habitantes inferior à do Brasil. No caso, o número de Cuba – 6,4 médicos para cada 1.000 habitantes – é superior à da Espanha, que possui 4 profissionais para cada 1.000 cidadãos. Pelo Twitter, Padilha não comentou a reportagem da Folha, mas escreveu, para provar o déficit de médicos no País: "De 2003 a 2011, foram 147 mil vagas contra 93 mil profissionais formados, um déficit 54 mil médicos".

Leia mais em Por que Padilha tem medo de ser de esquerda?

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247