País rejeita voto obrigatório e verba pública em campanhas

Levantamento inédito sobre temas da reforma política revela preferência popular em escolhas polêmicas; por meio de 2.502 entrevistas, Paraná Pesquisas apura que apenas 25% são a favor do voto obrigatório; o financiamento de campanhas políticas com dinheiro público é rejeitado por 56%; a figura do suplente de senador deveria ser extinta para 61% dos brasileiros, que são a favor da reeleição para presidente da República, mas rejeitam a repetição de mandatos entre senadores e deputados; confira os resultados

www.brasil247.com - Levantamento inédito sobre temas da reforma política revela preferência popular em escolhas polêmicas; por meio de 2.502 entrevistas, Paraná Pesquisas apura que apenas 25% são a favor do voto obrigatório; o financiamento de campanhas políticas com dinheiro público é rejeitado por 56%; a figura do suplente de senador deveria ser extinta para 61% dos brasileiros, que são a favor da reeleição para presidente da República, mas rejeitam a repetição de mandatos entre senadores e deputados; confira os resultados
Levantamento inédito sobre temas da reforma política revela preferência popular em escolhas polêmicas; por meio de 2.502 entrevistas, Paraná Pesquisas apura que apenas 25% são a favor do voto obrigatório; o financiamento de campanhas políticas com dinheiro público é rejeitado por 56%; a figura do suplente de senador deveria ser extinta para 61% dos brasileiros, que são a favor da reeleição para presidente da República, mas rejeitam a repetição de mandatos entre senadores e deputados; confira os resultados (Foto: Marco Damiani)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 – No mais detalhado levantamento sobre temas que podem ser incluídos numa reforma política no Brasil, o instituto Paraná Pesquisas descobriu que diferentes mitos do mundo político caem por terra quando a população é convidada a se manifestar a respeito deles. Por exemplo, o financiamento público de campanhas, uma das bandeiras do PT.

Por meio de 2.502 entrevistas, realizadas entre os dias 10 e 15 de setembro em todo País, a pesquisa apurou que a grande maioria do público é contrária à instalação deste mecanismo no Brasil. Enquanto apenas 17% afirmaram ser a favor de recursos públicos como fonte de alimentação aos partidos político, 56% manifestaram que as verbas para campanhas deveriam sair exclusivamente de empresas privadas. O mix entre verbas públicas e recursos de pessoas jurídicas, como acontece hoje, teve a aprovação de apenas 10% dos entrevistados. Outros 6% disseram que gostariam que o modelo fosse híbrido mas apenas com recursos privados de pessoas físicas.

A reeleição entre político têm duas visões entre o público. Para presidente da República, 52% são favoráveis e 45%, contrários. Para cargos legislativos, no entanto, o direito à reeleição não deveria existir para 51% do contingente, contra 46% a favor.

O voto no Brasil deve ser obrigatório ou facultativo? De acordo com o levantamento, a grande maioria de 74% é a favor de uma legislação com voto não obrigatório, enquanto 25% aceitam o sufrágio obrigatório. Caso, um dia, o País libere o público das eleições, 63% afirmaram que continuariam votando, mas 33% disseram que não compareceriam às urnas.

PUBLICIDADE

Outro tema em discussão no Congresso – a extinção do cargo de suplente de senador – foi testada na pesquisa. Na ausência do titular, apenas 29% afirmaram que o posto deveria ser assumido pelo suplente. A melhor alternativa, para 61% dos eleitores, seria que o candidato imediatamente mais votada assumisse a vaga.

Como se vê pelos resultados, de bobo o povo não tem nada.

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email