Palocci volta a acusar Lula sem apresentar provas

Com uma delação que foi ridicularizada pela própria força-tarefa da Lava Jato, que a classificou como "acordo do fim da picada", o ex-ministro Antonio Palocci voltou a lançar acusações contra o ex-presidente Lula e a presidente deposta Dilma Rousseff; no depoimento à PF, Palocci disse que entregou ao ex-presidente Lula, "em oportunidades diversas", dinheiro vivo, em remessas que chegaram a até R$ 80 mil

Palocci volta a acusar Lula sem apresentar provas
Palocci volta a acusar Lula sem apresentar provas
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-ministro Antonio Palocci voltou a fazer acusações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e à presidente deposta Dilma Rousseff. Palocci prestou depoimento em 13 de abril de 2018, na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba e nessa quinta-feira (17), o depoimento foi anexado ao inquérito da PF sobre a Usina de Belo Monte, que tramita em sigilo.

No depoimento, Antonio Palocci diz que entregou ao ex-presidente Lula, "em oportunidades diversas", dinheiro vivo, em remessas que chegaram a até R$ 80 mil. De acordo com ele, o ex-presidente lhe pedia que não comentasse com ninguém a respeito do assunto. Segundo Palocci, Lula recebeu propina pela obra da Usina Hidrelétrica Belo Monte, no Pará. A Odebrecht destinou R$ 15 milhões a Lula, segundo Palocci. A Andrade Gutierrez também é citada.

O ex-ministro disse também que a presidente Dilma Rousseff supostamente sabia dos pagamentos da Andrade Gutierrez ao PMDB e teria autorizado que continuassem. Ela, porém, teria negado que a empreiteira fizesse repasses ao PT.

A delação de Antonio Palocci foi homologada pelo desembargador João Pedro Gebran Netto, do TRribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), depois de ser rejeitada pela força tarefa da Lava Jato por falta de provas. Na época, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima disse que a delação de Palocci, que mídia conservadora qualificou como "delação do fim do mundo", estava mais para "o acordo do fim da picada" (leia mais).

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247