Para ICC, retrocessos ambientais devem fazer com que iniciativa privada fique à frente do assunto

Retrocessos ambientais do governo Jair Bolsonaro levaram o diretor da Câmara de Comércio Internacional do Brasil (ICC Brasil), Gabriel Petrus, a afirmar que o setor privado deve tomar a liderança das questões ambientais para evitar prejuízos econômicos às empresas brasileiras; “Temos preocupação com a política ambiental do governo e queremos que setor privado tome essa frente", disse

(Foto: Reprodução | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Os retrocessos ambientais do governo Jair Bolsonaro levaram o diretor da Câmara de Comércio Internacional do Brasil (ICC Brasil), Gabriel Petrus, a afirmar que o setor privado deve tomar a liderança das questões ambientais para evitar prejuízos econômicos às empresas brasileiras.  

“Temos preocupação com a política ambiental do governo e queremos que setor privado tome essa frente. Aplaudimos o acordo entre UE e Mercosul, mas a implementação dependerá de o Brasil estar de acordo com a sustentabilidade”, disse Petrus. 

Segundo reportagem da coluna Painel, do jornal Folha de S. Paulo, a declaração de Petrus foi feita esta semana, após uma reunião com o embaixador da França no Brasil, Michel Miraillet. 

Na ocasião, o diretor do ICC afirmou que “as empresas brasileiras têm compromisso absoluto e irrevogável com o clima”, em uma referência a afirmação feita pelo presidente francês, Emmanuel Macron, de que a França não assinaria o acordo UE-Mercosul caso o governo Jair Bolsonaro anunciasse a saída do acordo climático de Paris.. 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247