Parece ficção: Damares falou à ONU que Bolsonaro protege Amazônia, LGBT e que conserta um ‘país debilitado’

Ministra postou em suas redes sociais o vídeo de seu discurso, no qual faz a ONU de palanque contra o PT e ignora os escândalos do governo que faz parte

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, proferiu um discurso nesta segunda-feira 24 na abertura do Conselho de Direitos Humanos da ONU no qual não apenas afirmou que o governo de Jair Bolsonaro protege a Amazônia, os povos indígenas e a comunidade LGBT como declarou que tudo isso nunca foi feito com tanto cuidado como agora e ainda que o atual presidente recebeu um País ‘debilitado’.

Depois de dizer que “a criança nunca foi tão protegida”, e que o atual governo recebeu um país "triste" e "mergulhado em corrupção", Damares anuncia que “seguimos plenamente engajados no combate à corrupção”. 

“Sim, senhores, a corrupção era a maior violação aos direitos humanos no Brasil do passado. O governo Bolsonaro recebeu de herança um estado debilitado, por anos de sistemáticos desvios de recursos públicos. Nosso governo, contudo, está decidido a mudar essa realidade”, disse ainda, ignorando completamente os escândalos que envolvem o governo nos mais variados setores e ainda os retrocessos promovidos pela atual equipe.

Mais cedo, antes da divulgação dos vídeos, foi noticiada declaração de Damares em que ela defendeu a greve dos policiais militares do Ceará, o que é proibido pela Constituição. Depois, pelo Twitter, ela negou ter defendido “motim”, mas voltou a postar frases ambíguas.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247