Paulinho da Força reafirma apoio a Lula e diz que 'em seis meses' centrão adere ao governo, caso ele ganhe a eleição

"Acho que em seis meses eles entram. Tem gente que não gosta e não sabe ser oposição", disse o deputado federal e presidente do Solidariedade

www.brasil247.com - Paulinho da Força
Paulinho da Força (Foto: Agência Câmara)


247 - O deputado federal e presidente do Solidariedade, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (SP), reafirmou o apoio da legenda à campanha presidencial do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que os partidos do centrão, base de apoio do governo Jair Bolsonaro, irão aderir “em seis meses” a um governo do petista, caso ele vença o pleito de outubro.  “Eu acho que em seis meses eles entram. Tem gente que não gosta e não sabe ser oposição”, disse o parlamentar ao jornal O Globo

Segundo ele, o cenário eleitoral deverá ficar “cada vez mais complicado” nos próximos meses. “O Bolsonaro, como é governo, tem o orçamento na mão e vai investir nos eleitores do Lula. Ou seja, quando o Bolsonaro aumenta o Bolsa Família e permite o saque do fundo de garantia, é em cima do eleitorado do Lula que ele está indo. Ele está focando no Nordeste, e ele parou com aquelas loucuras que fazia antes. Ele tem cinco partidos ao lado dele, partidos onde não há nenhum bobo e cheios de gente que sabe ganhar eleição É preciso se unir e pôr a campanha de Lula na rua para se livrar do Bolsonaro” afirmou. 

Paulinho também disse que o mal estar gerado pelas vaias que recebeu durante um evento com sindicalistas que contou com a participação de Lula foi superado e disse que uma reunião realizada esta semana com cúpula do Solidariedade e do PT “ foi muito boa e produtiva. No final, a gente chegou à conclusão de que o caminho está traçado agora. Nós combinamos uma reunião da Executiva [do Solidariedade] no próximo dia 3 para fazer um ato de apoio à candidatura dele (Lula)”.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

“Lula concordou com quase tudo o que falamos. O principal é o tamanho da aliança. Falei para ele que a aliança precisa ir além das esquerdas. Ele falou que essa é justamente a vontade dele e por isso trouxe o Geraldo Alckmin, que nunca foi considerado um homem de esquerda”, disse o presidente do Solidariedade sobre o encontro. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista: 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email