Paulinho quer que políticos possam repatriar recursos ilícitos

O Solidariedade, comandado por Paulinho da Força, entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade no Supremo Tribunal Federal contra um dispositivo da Lei da Repatriação que exclui detentores de cargos e funções públicas, assim como seus parentes até o segundo grau, do Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária; para o partido, a exclusão resulta é inconstitucional pois viola o princípio da isonomia em matéria tributária

SÃO PAULO,SP,30.08.2013:PROTESTO FORÇA SINDICAL/VIADUTO SANTA IFIGÊNIA - Paulinho da Força durante protesto da Força Sindical no Viaduto Santa Ifigênia, no centro de São Paulo (SP), na manhã desta sexta-feira (30), Dia Nacional de Mobilização e Luta. A ma
SÃO PAULO,SP,30.08.2013:PROTESTO FORÇA SINDICAL/VIADUTO SANTA IFIGÊNIA - Paulinho da Força durante protesto da Força Sindical no Viaduto Santa Ifigênia, no centro de São Paulo (SP), na manhã desta sexta-feira (30), Dia Nacional de Mobilização e Luta. A ma (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil*

O SD entrou com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra um dispositivo da Lei da Repatriação (Lei 13.254/2016) que exclui detentores de cargos e funções públicas, assim como seus parentes até o segundo grau, do Regime Especial de Regularização Cambial e Tributária. Para o partido, a exclusão resulta é inconstitucional pois viola o princípio da isonomia em matéria tributária, pois dá tratamento discriminatório em razão do exercício profissional do contribuinte. A informação foi divulgada na noite de hoje (14) no site do STF.

O partido também pede a concessão de liminar para suspender o Artigo 11 da lei até o julgamento da ADI, que foi distribuída à ministra Rosa Weber.

A Lei da Repatriação, sancionada no dia 13 de janeiro pela ex-presidenta Dilma Rousseff, regulariza os recursos enviados por brasileiros ao exterior sem o conhecimento da Receita Federal. A lei oferece incentivos para a declaração voluntária de bens e de recursos adquiridos até 31 de dezembro de 2014 e mantidos ao exterior. Em troca da anistia de crimes relacionados à evasão de divisas, o contribuinte pagará 15% de Imposto de Renda e 15% de multa, totalizando 30% do valor repatriado. Sem a nova lei, o devedor teria de pagar multa de até 225% do valor devido, além de responder na Justiça e na esfera administrativa, dependendo do caso.


* Com informações do site do Supremo Tribunal Federal

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email