Paulo Guedes disputa com Mourão comando da Petrobras

As intrigas internas na condução das nomeações no governo Bolsonaro já começaram e a primeira delas opõe o futuro superministro Paulo Guedes e o vice-presidente General Mourão; a disputa se dá em torno da presidência da Petrobrás. Guedes quer o o economista Roberto Castello Branco no cargo; Mourão quer outro nome e já opera com sondagens ao alto comando da estatal a revelia de qualquer consulta a Paulo Guedes

Paulo Guedes disputa com Mourão comando da Petrobras
Paulo Guedes disputa com Mourão comando da Petrobras

247 - As intrigas internas na condução das nomeações no governo Bolsonaro já começaram e a primeira delas opõe o futuro superministro Paulo Guedes e o vice-presidente General Mourão. A disputa se dá em torno da presidência da Petrobrás. Guedes quer o o economista Roberto Castello Branco no cargo. Mourão quer outro nome e já opera com sondagens ao alto comando da estatal a revelia de qualquer consulta a Paulo Guedes. 

A reportagem do jornal Folha de S. Paulo destaca a fala de Castello Branco sobre suposto declínio do convite:"Não declinei convite nenhum, até porque não houve nenhum convite".

Segundo o jornal, "ele não quis comentar se aceitará ou não o cargo caso seja convidado, mas pessoas próximas a ele dizem que o economista vê a missão com bons olhos".

A matéria ainda informa sobre a disputa na nomeação: "ainda não houve, no entanto, definição final sobre o comando da Petrobras. Segundo apurou a reportagem, o vice-presidente eleito, general Hamilton Mourão, também quer influenciar na escolha. Mourão prefere que a estatal seja entregue a um nome da área militar porque considera a Petrobras estratégica. Segundo pessoas próximas à estatal, o alto comando da Petrobras já foi sondado informalmente por emissários tanto do grupo de Guedes quanto do time de Mourão, em busca de informações".

 

 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247