Paulo Pimenta pede investigação criminal contra os responsáveis por 'desfile' de adoção

O líder da bancada do PT na Câmara, o deputado Paulo Pimenta (RS), encaminhou representação junto à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão solicitando a abertura de procedimento investigatório criminal para posterior ação penal contra os responsáveis pelo "desfile" de adoção, realizado em um shopping de Cuiabá

Paulo Pimenta pede investigação criminal contra os responsáveis por 'desfile' de adoção
Paulo Pimenta pede investigação criminal contra os responsáveis por 'desfile' de adoção
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O líder do PT na Câmara, Paulo Pimenta (RS), protocolou nesta quinta-feira (23) uma representação na Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão contra os realizadores de um desfile, em um shopping de Cuiabá, com crianças e adolescentes aptos para adoção diante de um público de candidatos a pais.

Na representação, o deputado aponta que o evento contraria o Estatuto da Criança e do Adolescente e a Constituição "por expor publicamente crianças e adolescentes à situação vexatória, em que seus atributos físicos se tornam o critério de escolha pelas famílias interessadas na adoção".

O parlamentar solicita a abertura de procedimento investigatório criminal para posterior ação penal cabível contra os responsáveis.

"A Constituição Federal garante a proteção da criança e do adolescente contra qualquer forma de discriminação, exploração, crueldade e opressão, além de estabelecer como dever do Estado e da sociedade assegurar a eles o direito à dignidade e ao respeito", enfatiza Pimenta.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247