Paulo Roberto Costa diz se sentir como um 'leproso'

"Virei um leproso. Esse ano de prisão foi um ano de lepra. As pessoas fugiam de mim e continuam fugindo, mas isso está mudando", disse o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em sua primeira entrevista após a prisão, concedida ao jornalista Mario Cesar Carvalho; Costa, que está escrevendo um livro, afirma que a corrupção na estatal foi menor do que tem sido estimada; "Não acredito em desvio de R$ 6 bilhões", diz ele; "Dá uns R$ 3 bilhões no máximo. A Petrobras não pode misturar queda do preço do petróleo, aumento do dólar e desvio de dinheiro"

"Virei um leproso. Esse ano de prisão foi um ano de lepra. As pessoas fugiam de mim e continuam fugindo, mas isso está mudando", disse o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em sua primeira entrevista após a prisão, concedida ao jornalista Mario Cesar Carvalho; Costa, que está escrevendo um livro, afirma que a corrupção na estatal foi menor do que tem sido estimada; "Não acredito em desvio de R$ 6 bilhões", diz ele; "Dá uns R$ 3 bilhões no máximo. A Petrobras não pode misturar queda do preço do petróleo, aumento do dólar e desvio de dinheiro"
"Virei um leproso. Esse ano de prisão foi um ano de lepra. As pessoas fugiam de mim e continuam fugindo, mas isso está mudando", disse o ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, em sua primeira entrevista após a prisão, concedida ao jornalista Mario Cesar Carvalho; Costa, que está escrevendo um livro, afirma que a corrupção na estatal foi menor do que tem sido estimada; "Não acredito em desvio de R$ 6 bilhões", diz ele; "Dá uns R$ 3 bilhões no máximo. A Petrobras não pode misturar queda do preço do petróleo, aumento do dólar e desvio de dinheiro" (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Em sua primeira entrevista após a Lava Jato, concedida ao jornalista Mario Cesar Carvalho (leia aqui), Paulo Roberto Costa, ex-diretor de Abastecimento da Petrobras, disse se sentir como 'um leproso'.

"Virei um leproso. Esse ano de prisão foi um ano de lepra. As pessoas fugiam de mim e continuam fugindo, mas isso está mudando", afirmou.

Um dos maiores corruptos da história do País, Costa está escrevendo um livro e diz que os gritos de 'bandido', quando toma um avião, são cada vez mais raros. Agora, ele é até elogiado."As pessoas dizem: 'Parabéns! Muito bem! Você entregou os políticos!'".

Costa afirma que seu acordo de delação premiada foi essencial para o avanço das investigações. "Sem a minha delação, a Lava Jato não teria existido", afirma. "Fechei a delação por orientação da minha família, a coisa mais valiosa que tenho hoje", conta.

Ele diz ainda que a corrupção na Petrobras foi menor do que tem sido estimado. "Não acredito em desvio de R$ 6 bilhões", afirma. "Dá uns R$ 3 bilhões no máximo. A Petrobras não pode misturar queda do preço do petróleo, aumento do dólar e desvio de dinheiro".

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email