Paulo Sérgio Pinheiro denuncia abandono de agenda social ao papa

 O ex-coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Paulo Sérgio Pinheiro, conta em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, como foi seu encontro com o papa Francisco, quando esteve acompanhado de Mariete Franco (mãe da vereadora executada Marielle Franco), Carol Proner (professora de direito internacional da UFRJ) e Cibeli Kuss (pastora Luterana); Pinheiro relata que o papa ouviu atentamente sobre o abandono da agenda social brasileira e os respectivos dados do retrocesso social, como o crescimento da mortalidade infantil

Paulo Sérgio Pinheiro denuncia abandono de agenda social ao papa
Paulo Sérgio Pinheiro denuncia abandono de agenda social ao papa

247 - O ex-coordenador da Comissão Nacional da Verdade, Paulo Sérgio Pinheiro, conta em artigo publicado no jornal Folha de S. Paulo, como foi seu encontro com o papa Francisco, quando esteve acompanhado de Mariete Franco (mãe da vereadora executada Marielle Franco), Carol Proner (professora de direito internacional da UFRJ) e Cibeli Kuss (pastora Luterana). Pinheiro relata que o papa ouviu atentamente sobre o abandono da agenda social brasileira e os respectivos dados do retrocesso social, como o crescimento da mortalidade infantil. 

Leia trechos do artigo escrito por Paulo Sérgio Pinheiro: 

"Direitos econômicos e sociais restringidos pela PEC do teto e pela reforma trabalhista. Direitos civis e políticos ameaçados pelo enfraquecimento do Estatuto do Desarmamento, o reempoderamento dos militares, o retorno da Justiça Militar para crimes comuns de militares e prisões de professores em universidades federais. Proteção do meio ambiente, dos povos indígenas e a luta contra o racismo praticamente abandonadas. Mudanças profundas nas políticas públicas jamais legitimadas antes por eleições. Sublinho os riscos criados quando uma agenda de inclusão social, econômica e política —como a estabelecida pela constitucionalidade de 1988 e pela política de Estado de direitos humanos— é abandonada.

(...)

É neste contexto que o Brasil caminha para uma eleição na qual um dos principais candidatos, o ex-presidente Lula, poderá ser iniquamente excluído. Ele vem sendo sistematicamente silenciado pela interferência da Justiça, que assumiu o papel de protagonista político. As forças conservadoras predominantes no Judiciário asseguram a proteção aos grupos políticos governistas afetados por denúncias. Superar a crise vai levar tempo. Reconstituir o espaço de diálogo e a confiança nas instituições do Estado são agora tarefas ainda mais difíceis do que antes. Que inspirações buscar? A tensão e o retrocesso não são privilégios brasileiros. Difícil encontrar um país em que não se tenham discutido ou implementado restrições de direitos. Igualmente, proliferam as vozes do ódio."

Leia mais aqui

 

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247