Pela primeira vez, devastação supera ritmo de recuperação da Floresta Amazônica

Cientistas brasileiros e britânicos divulgaram pesquisa que aponta o grave cenário de devastação do bioma Amazônia. Segundo o estudo, florestas secundárias absorveram menos de 10% do carbono emitido pelos desmatamentos nos últimos 30 anos

(Foto: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Cientistas brasileiros e britânicos divulgaram pesquisa que aponta números ainda mais graves a respeito da devastação histórico do bioma Amazônia. 

Segundo reportagem do jornal O Globo, eles descobriram que as florestas secundárias absorveram menos de 10% do carbono emitido pelos desmatamentos nos últimos 30 anos. O estudo foi publicado na revista científica Global Change Biology.

A reportagem indica que há dois motivos principais para a pouca absorção de carbono. O primeiro são as altas taxas de desmatamento, a derrubada avança muito mais depressa do que a capacidade de recuperação da Floresta Amazônica. O segundo é que as florestas secundárias são também alvo de derrubada, abatidas quando ainda são muito jovens.

“As estimativas sobre a capacidade de absorção de CO2 das florestas secundárias eram mais otimistas do que a realidade. Isso ocorreu porque eram baseadas em áreas de muita floresta. Mas a maioria dessas matas está nas frentes de desmatamento”, explica Joice Ferreira, da Embrapa Amazônia Oriental, que estuda a conservação de florestas em áreas de expansão da agropecuária.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email