Pesquisa brasileira apresenta novo remédio que pode ser cura do HIV

Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) apresentaram nesta terça-feira (7) uma pesquisa que pode resultar em um dos primeiros casos de cura do vírus HIV

(Foto: Arquivo/Agência Brasil/Divulgação/ND)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Pesquisadores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) apresentaram nesta terça-feira (7) uma pesquisa que pode resultar em um dos primeiros casos de cura do vírus HIV.

O paciente brasileiro, que foi diagnosticado com o vírus HIV em 2012 e tratado com um novo coquetel contra a doença, apresentou remissão e está há mais de dois anos sem carga viral.

De acordo com os médicos e pesquisadores, citados pelo G1, o homem de 34 anos de idade foi tratado com uma base de terapia antirretroviral reforçada com outras substâncias, com a adição de um medicamento chamado nicotinamida, uma forma de vitamina B3. A medicação foi suspensa após 13 meses, e após 11 meses sem o coquetel, o DNA de HIV nas células do paciente e o exame de anticorpos continuavam negativos.

"Este caso é extremamente interessante, e realmente espero que possa impulsionar pesquisas adicionais para uma cura do HIV", disse o médico do Instituto de Saúde da Itália, Andrea Savarino, que coliderou o teste.

De acordo com ele, no entanto, outros quatro pacientes com a doença foram tratados com o coquetel, mas não tiveram os mesmo resultados.

"Este resultado muito provavelmente não pode ser reproduzido. Este é um primeiro experimento [preliminar], e eu não faria previsões para além disso", acrescentou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email