Petrobras, Fiat e Folha são investigadas em pesquisas sobre colaboração com a ditadura

Companhias são as três mais famosas entre as dez listadas em projeto da Unifesp, financiado com indenização da Volkswagen

www.brasil247.com -
(Foto: ROBERTO PARIZOTTI/FOTOS PÚBLICAS)
Siga o Brasil 247 no Google News

Carta Capital - Dezenas de pesquisadores de todo o País vão se debruçar sobre empresas suspeitas de terem colaborado com a repressão durante a ditadura militar. O projeto, intitulado A responsabilidade de empresas por violações de direitos durante a ditadura, tem como objetivo detalhar, ao longo de um ano e meio de estudos, a atuação dessas corporações nos anos do regime.

São pelo menos 45 acadêmicos envolvidos. Os trabalhos tiveram início em novembro, mesmo mês em que se completou 10 anos da criação da Comissão Nacional da Verdade. Em 2014, o colegiado publicou um relatório com 4,3 mil páginas sobre os crimes cometidos na ditadura, como prisões arbitrárias, torturas e execuções. Esses dados foram o ponto de partida da pesquisa, além de documentos de acervos que ainda devem ser consultados.

O financiamento vem da indenização paga pela Volkswagen, no âmbito de um processo movido pelo Ministério Público Federal, em conjunto com o Ministério Público do Trabalho e o Ministério Público de São Paulo, que exigiram reparações após investigações mostrarem que a companhia foi cúmplice da repressão no regime militar.

PUBLICIDADE

 Leia a íntegra na Carta Capital.

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:

PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email