PF abre inquérito para investigar suspeita de ataque hacker contra presidente da Caixa

Presidente da Caixa, Pedro Guimarães afirmou que "centenas de milhares" de contas poupança digital do banco, usadas para o crédito do Auxílio Emergencial, foram suspensas por suspeita de fraude

(Foto: Divulgação/Polícia Federal)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Federal abriu inquérito para apurar um ataque ao celular do presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães. A informação do jornal Folha de S. Paulo foi publicada na quarta-feira (22). 

Pedro Guimarães afirmou no domingo (19) que seu celular foi invadido e que iria trocar de número. Entre os dados roubados estão várias informações pessoais, vazadas em ataque realizado por hackers que fraudaram o auxílio emergencial, aponta o presidente da Caixa. 

Na terça (21), Guimarães afirmou que “centenas de milhares” de contas digitais do banco, usadas para o crédito do Auxílio Emergencial, foram suspensas por suspeita de fraude, acrescenta a reportagem. 

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247