PF indicia 7 funcionários de Vale e 6 da TÜV SÜD por tragédia de Brumadinho

A Polícia Federal indiciou 13 funcionários da mineradora Vale e da TÜV SÜD por falsidade ideológica no caso Brumadinho. Além dos funcionários, as duas empresas também foram indiciadas. Indiciamentos fazem parte da primeira parte das investigações da PF sobre o o rompimento da barragem que deixou 249 mortos e 21 desaparecidos

Equipes de resgate atuam na área atingida pelo rompimento de barragem em Brumadinho (MG)
Equipes de resgate atuam na área atingida pelo rompimento de barragem em Brumadinho (MG) (Foto: REUTERS/Washington Alves)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A Polícia Federal indiciou 13 funcionários da Vale e da TÜV SÜD por falsidade ideológica no caso Brumadinho. Além dos funcionários, as duas empresas também foram indiciadas.

Ao todo, foram sete funcionários da mineradora Vale e seis membros da consultora TÜV SÜD, indiciados pelos crimes de falsidade ideológica e uso de documentos falsos.

Os indiciamentos fazem parte da primeira parte das investigações da Polícia Federal sobre o caso de Brumadinho, onde a barragem I da Mina Córrego do Feijão rompeu no dia 25 de janeiro deste ano, segundo o portal G1.

A falsidade ideológica teria ocorrido quando funcionários de ambas as empresas firmaram contratos falsos, contendo informações falsas nos documentos de Declaração de Condição de Estabilidade (DCE).

Segundo fontes, entre os indiciados, está um executivo da consultora TÜV SÜD na Alemanha, bem como os gerentes da diretoria de Geotecnia Corporativa, de Gestão de Estruturas Geotécnicas e Gestão de Riscos Geotécnicos da Vale. Além dos coordenadores e engenheiros da TÜV SÜD.

A Polícia Federal segue aguardando a conclusão de perícias criminais para novos indiciamentos ligados a crimes ambientais e de homicídio.

As investigações podem determinar a responsabilidade individualizada referente a ambas as tipificações.

O relatório ainda pede medida cautelar contra os indiciados proibindo os 13 funcionários de prestarem consultorias ou novos trabalhos nessa área.

Até o momento, ambas as empresas não se pronunciaram sobre o caso.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247