PF prende sete por fraude em fundo de pensão

Organização criminosa fraudou mais de 100 fundos de pensão de servidores municipais em todo o Brasil; segundo a Polícia Federal, prejuízos dessas aplicações, em longo prazo, poderiam comprometer o recebimento de aposentadorias pelos servidores que contribuíram com os fundos

Organização criminosa fraudou mais de 100 fundos de pensão de servidores municipais em todo o Brasil; segundo a Polícia Federal, prejuízos dessas aplicações, em longo prazo, poderiam comprometer o recebimento de aposentadorias pelos servidores que contribuíram com os fundos
Organização criminosa fraudou mais de 100 fundos de pensão de servidores municipais em todo o Brasil; segundo a Polícia Federal, prejuízos dessas aplicações, em longo prazo, poderiam comprometer o recebimento de aposentadorias pelos servidores que contribuíram com os fundos (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da Agência Brasil

A Polícia Federal (PF) faz nesta terça-feira (11) uma operação para desarticular uma organização criminosa que fraudou mais de 100 fundos de pensão de servidores municipais em todo o Brasil. Segundo a PF, os prejuízos dessas aplicações, em longo prazo, poderiam comprometer o recebimento de aposentadorias pelos servidores que contribuíram com os fundos.

A PF informou que foram cumpridos sete mandados de prisão e 14 mandados de busca e apreensão em São Paulo e São José do Rio Preto. Cerca de 60 policiais participam da Operação Fundo Falso.

De acordo com a PF, as investigações começaram em 2012, após auditorias do Ministério da Previdência constatarem fraudes nas aplicações das contribuições dos servidores. Os fraudadores constituíram uma empresa de consultoria financeira que deveria indicar as melhores opções de investimento aos fundos de pensão. Mas, o grupo destinava os recursos dos fundos a aplicações temerárias em troca de comissões ilícitas pagas por operadores do mercado financeiro.

Os envolvidos responderão, na medida de suas participações, pelos crimes de organização criminosa, gestão fraudulenta, fraude em licitação, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro, cujas penas variam de 1 a 12 anos de prisão.

Às 11h, a PF divulga detalhes da ação em uma coletiva à imprensa, na sede da Superintendência Regional da Polícia Federal em São Paulo, na Rua Hugo D'Antola, 95, no bairro da Lapa.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email