PF vai investigar suposta ameaça de ataque terrorista à posse de Bolsonaro

A PF vai investigar uma suposta ameaça de um atentado terrorista marcado para a posse do presidente eleito Jair Bolsonaro; grupo autointitulado "Maldição Ancestral" diz que "se a facada não foi suficiente para matar Bolsonaro, talvez ele venha a ter mais surpresas em algum outro momento, já que não somos os únicos a querer a sua cabeça"; "Dia 01 de Janeiro de 2019 haverá aqui em Brasília a posse presidencial, e estamos em Brasília e temos armas e mais explosivos estocados...", completa o texto

PF vai investigar suposta ameaça de ataque terrorista à posse de Bolsonaro
PF vai investigar suposta ameaça de ataque terrorista à posse de Bolsonaro (Foto: Fotos: Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A Polícia Federal vai abrir inquérito para investigar uma suposta ameaça de um atentado terrorista marcado para acontecer no dia 1 de janeiro, data da posse do presidente eleito Jair Bolsonaro. A autoria da ameaça é atribuída a um grupo autointitulado "Maldição Ancestral", que reivindica ter colocado uma bomba encontrada na noite de Natal em uma igreja de Brazlândia, na região administrativa do Distrito Federal,  e que foi desarmada pela Polícia Militar.

Segundo os investigadores, no site de grupo existe uma ameaça direta contra Bolsonaro. "Se a facada não foi suficiente para matar Bolsonaro, talvez ele venha a ter mais surpresas em algum outro momento, já que não somos os únicos a querer a sua cabeça", diz o grupo em um trecho do texto.

"Dia 01 de Janeiro de 2019 haverá aqui em Brasília a posse presidencial, e estamos em Brasília e temos armas e mais explosivos estocados...", completa o texto. Segundo o jornal O Estado de S. Paulo, fontes da PF teriam dito que o esquema de segurança para o dia da posse não devera sofrer alterações por conta da ameaça.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247