Pfizer pede à Anvisa registro definitivo de vacina contra a Covid-19

O pedido para registro definitivo usa dados de um ensaio clínico com cerca de 44 mil participantes acompanhados por dois meses, em média, após a aplicação de uma segunda dose

(Foto: REUTERS/Dado Ruvic)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Sputnik - A farmacêutica norte-americana Pfizer pediu, neste sábado (6), o registro definitivo da sua vacina contra a COVID-19 à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Caso a Anvisa conceda o registro, o imunizante passa a poder ser vendido aos sistemas de saúde brasileiros e poderá ser usado pela população.

"O registro é a avaliação completa com dados mais robustos dos estudos de qualidade, eficácia e segurança, bem como do plano de mitigação dos riscos e da adoção das medidas de monitoramento", escreveu a Anvisa, citada pelo portal G1.

Segundo a farmacêutica, o pedido para registro definitivo usa dados de um ensaio clínico com cerca de 44 mil participantes acompanhados por dois meses, em média, após a aplicação de uma segunda dose.

"O pedido de registro da vacina junto à Anvisa é a etapa final do processo de submissão contínua estabelecido pela Agência para acelerar os registros de vacinas contra a COVID-19", disse Márjori Dulcine, diretora médica da Pfizer Brasil.

A Anvisa analisa as solicitações enviadas pelas farmacêuticas de forma separadas e utiliza um protocolo para situações emergenciais e prioritárias.

A vacina da Pfizer é fabricada em parceria com a empresa BioNTech e a eficácia anunciada é de 95% na conclusão dos ensaios clínicos.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email