PGR denuncia Agripino, moralista sem moral, por propinas de R$ 2 milhões

O senador Agripino Maia (DEM-RN), que vestiu camisa amarela nos protestos contra a corrupção que levaram ao golpe de 2016, foi denunciado ontem pela procuradoria-geral da República por corrupção passiva; o motivo: as propinas de R$ 2 milhões que ele teria recebido das empreiteiras envolvidas na construção da Arena das Dunas, em Natal (RN); Agripino é também acusado de lavagem de dinheiro pela Polícia Federal, mas nega participação no esquema

Agripino Maia
Agripino Maia (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O senador Agripino Maia (DEM-RN), que vestiu camisa amarela nos protestos contra a corrupção que levaram ao golpe de 2016, foi denunciado ontem pela procuradoria-geral da República por corrupção passiva.

O motivo: as propinas de R$ 2 milhões que ele teria recebido das empreiteiras envolvidas na construção da Arena das Dunas, em Natal (RN).

"O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, apresentou uma denúncia contra o senador e presidente do DEM José Agripino Maia (RN), em inquérito aberto para investigar recebimento de propina relacionada a obras da Arena das Dunas, estádio na cidade de Natal palco de jogos na Copa do Mundo em 2014", informa reportagem dos jornalistas Bruno Pires e Rafael Moraes Moura, publicada no Estado de S. Paulo.

"O relatório da Polícia Federal sobre o caso, finalizado em agosto, atribuiu o recebimento de propina de R$ 2 milhões da OAS ao senador José Agripino (DEM-RN). A PF vê envolvimento do parlamentar e do empreiteiro Léo Pinheiro em irregularidades no financiamento do BNDES destinado a obras na Arena das Dunas, estádio em Natal para a Copa de 2014", dizem os repórteres.

Agripino é também acusado de lavagem de dinheiro pela Polícia Federal, mas nega participação no esquema.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247