PGR denuncia Lula, Gleisi e Palocci na véspera do Primeiro de Maio

A Procuradoria-Geral da República, comandada por Raquel Dodge, denunciou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), o ex-presidente Lula, os ex-ministros Antônio Palocci e Paulo Bernardo, e o empresário Marcelo Odebrecht, pelos crimes de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro; também foi denunciado Leones Dall Adnol, chefe de gabinete da parlamentar; denúncia visa desmobilizar o 1º de maio, dia em que sete centrais sindicais fecharam pelo "Lula livre"

A Procuradoria-Geral da República, comandada por Raquel Dodge, denunciou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), o ex-presidente Lula, os ex-ministros Antônio Palocci e Paulo Bernardo, e o empresário Marcelo Odebrecht, pelos crimes de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro; também foi denunciado Leones Dall Adnol, chefe de gabinete da parlamentar; denúncia visa desmobilizar o 1º de maio, dia em que sete centrais sindicais fecharam pelo "Lula livre"
A Procuradoria-Geral da República, comandada por Raquel Dodge, denunciou a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), o ex-presidente Lula, os ex-ministros Antônio Palocci e Paulo Bernardo, e o empresário Marcelo Odebrecht, pelos crimes de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro; também foi denunciado Leones Dall Adnol, chefe de gabinete da parlamentar; denúncia visa desmobilizar o 1º de maio, dia em que sete centrais sindicais fecharam pelo "Lula livre" (Foto: Leonardo Lucena)

247 - A Procuradoria-Geral da República denunciou, nesta segunda-feira (30) a presidente nacional do PT, senadora Gleisi Hoffmann (PT/PR), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, os ex-ministros Antônio Palocci e Paulo Bernardo, e o empresário Marcelo Odebrecht, pelos crimes de corrupção passiva e ativa e lavagem de dinheiro. Também foi denunciado Leones Dall Adnol, chefe de gabinete da senadora.

De acordo com a PGR, em 2010 a empreiteira prometeu ao então presidente Lula a doação de US$ 40 milhões em troca benefícios.

A denúncia diz que, em 2014, Hoffmann e Bernardo aceitaram receber R$ 5 milhões, via caixa 2,  destinados à campanha eleitoral. Coube a Leones Dall’Agnol (por parte de Gleisi) e a Benedicto Júnior (por parte da Odebrecht) viabilizar a entrega do dinheiro. Segundo a procuradoria, Gleisi teria declarado à Justiça Federal gastos inexistentes no valor de R$ 1,830 milhão. 

Na denúncia, a PGR requer a condenação do ex-presidente Lula, dos ex-ministros e do chefe de gabinete por corrupção passiva (artigo 317 do Código Penal) e de Marcelo Odebrecht, por corrupção ativa (artigo 333 do Código Penal). No caso da presidente do PT, além da corrupção ativa, a denúncia inclui lavagem de dinheiro.

O órgão pediu, ainda, que Lula, Bernardo e Palocci paguem US$ 40 milhões e outros R$ 10 milhões a título de reparação de danos, material e moral coletivo, respectivamente. Outra solicitação é para que a congressista, o marido e chefe de gabinete paguem R$ 3 milhões como ressarcimento pelo dano causado ao erário.

 

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247