Pior diplomata do mundo, Ernesto escreve artigo para tentar provar que o nazismo é de esquerda

Depois de virar alvo de chacota internacional por dizer que o "nazismo foi um movimento de esquerda", o ministro Ernesto Araújo reafirmou a sandice neste sábado, 30; em artigo publicado em seu blog, diz que declaração causa "pavor à esquerda"; "podemos facilmente notar que o nazismo tinha traços fundamentais que recomendam classificá-lo na esquerda no espectro político"; falsificação da história é criticada por pesquisadores alemães e brasileiros

Pior diplomata do mundo, Ernesto escreve artigo para tentar provar que o nazismo é de esquerda
Pior diplomata do mundo, Ernesto escreve artigo para tentar provar que o nazismo é de esquerda

247 - O ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo, que foi motivo de chacota internacional por dizer a um canal do Youtube que o "nazismo foi um movimento de esquerda", reafirmou a sandice neste sábado, 30.

Em artigo publicado em seu blog, "Metapolítica 17", Ernesto Araújo disse que declaração causa pavor à esquerda, dando "a impressão de que existe aí um perigoso segredo de família, cuidadosamente guardado". E insiste: "podemos facilmente notar que o nazismo tinha traços fundamentais que recomendam classificá-lo na esquerda no espectro político".

"O nazismo era anti-capitalista, anti-religioso, coletivista, contrário à liberdade individual, promovia a censura e o controle do pensamento pela propaganda e lavagem cerebral, era contrário às estruturas tradicionais da sociedade. Tudo isso o caracteriza como um movimento de esquerda", escreve Araújo. 

O historiador Wulf Kansteiner, da Universidade de Aarhus, ouvido pela DW Brasil, deixa claro que os nazistas jamais seguiram políticas de esquerda. "Ao contrário, propagavam valores da extrema direita, um extremo nacionalismo, um extremo antissemitismo e um extremo racismo. Nenhum especialista sério considera hoje o nazismo de alguma forma um fenômeno de esquerda. Por isso, da perspectiva acadêmica histórica, essa declaração é uma asneira", afirma.

Segundo Kansteiner, tanto o entrevistador quanto o ministro jogam com a palavra totalitarismo e, durante sua argumentação, Araújo tenta com ela traçar uma fronteira entre o nacionalismo, que seria algo bom, e o socialismo, que seria algo ruim. "Historicamente isso é um disparate", ressalta o especialista, que também é autor do livro In pursuit of German memory (Em busca da memória alemã, em tradução livre).

Peter Carrier, coordenador de um projeto de pesquisa da Unesco sobre o ensino do Holocausto, promovido pelo Instituto alemão Georg Eckert, acrescenta que o ministro comete erros ao fazer referências à teoria do totalitarismo.

"Se Araújo tivesse lido precisamente os teóricos do totalitarismo e fosse fiel a suas teses, ele deveria condenar tanto a direita quanto a esquerda, pois o totalitarismo implica que regimes autoritários de direita e de esquerda são igualmente ruins", afirma.

A estratégia de tentar classificar o nazismo como uma ideologia de esquerda não é nova e chegou a ocorrer no passado em vários países. Mas nunca chegou a virar um debate sério entre especialistas.

Conheça a TV 247

Mais de Brasil

Ao vivo na TV 247 Youtube 247