"Pizzolato não tinha poder para beneficiar empresa de Valério"

A defesa é d advogado Marthius Sávio Cavalcante Lobato, que representa o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato na Ação 470, o chamado 'mensalão'; ele fez sua sustentação oral nesta quinta-feira, sexto dia do julgamento

"Pizzolato não tinha poder para beneficiar empresa de Valério"
"Pizzolato não tinha poder para beneficiar empresa de Valério" (Foto: Carlos Humberto/SCO/STF )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Agência Brasil – O advogado Marthius Sávio Cavalcante Lobato, que representa o ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato no processo do mensalão, disse hoje (9) que seu cliente não tinha poderes para beneficiar a empresa do publicitário Marcos Valério em contratos do banco.

Pizzolato é acusado de adiantar R$ 73 milhões do fundo Visanet para a agência DNA propaganda, que tinha contrato com o Banco do Brasil, recebendo, por isso, R$ 326 mil de propina. Ele também é processado por não cobrar o bônus de volume obtido pela DNA pela veiculação de publicidade do banco.

De acordo com Lobato, Pizzolato não era diretor de Marketing quando a empresa de Valério venceu licitação no Banco do Brasil e nunca tomava decisões sozinho – tudo era decidido por órgão colegiado. O advogado também alega que Pizzolato não era o representante do Banco do Brasil no comitê do fundo Visanet, que tinha verbas exclusivamente privadas.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email