"PM me escolheu porque sou negro", diz estudante

"Fiquei com medo de ir delegacia sozinho", disse o universitrio Nicolas Menezes Barreto ao jornalista Alceu Castilho, do blog Outro Brasil; tambm msico e professor, admitiu que est "tentando se livrar do susto"; para ele, o sargento estava "virado no capeta"; comando da PM afastou agressor; vdeo com cena completa

"PM me escolheu porque sou negro", diz estudante
"PM me escolheu porque sou negro", diz estudante (Foto: Divulgação )
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Nicolas Menezes Barreto, estudante da USP agredido pelo sargento da PM André Ferreira na manhã desta segunda-feira 9, tem certeza de que foi vítima de racismo. Ele estava no Centro de Convivência da Universidade, no bairro do Butantã, quando foi abordado pelo PM, afastado de suas funções após a divulgação das imagens feitas por um observador. Ferreira chegou a sacar duas vezes seu revólver na direção de Nicolas, que cursa Ciências da Natureza na EACH - Escola de Artes, Ciências e Humanidades, na USP-Leste. "O que você está falando ai? Você é estudante, você é estudante?", perguntava o PM, descontrolado. Ele chegou a arrastar Nicolas pela camisa e jogá-lo para fora da sala, que fica ao lado do Museu de Arte Contemporânea.

Ao jornalista Alceu Castilho, do blog Outro Brasil (acesse aqui), o estudante foi taxativo: "O PM me escolheu porque eu era o único negro", disse Nicolas Menezes. Leia abaixo o texto completo de Castilho:

Órfão de pai desde os 15 anos, Nicolas Menezes Barreto sabe bem o que é trabalhar. Ele é músico e professor da rede municipal de ensino, na zona leste – em condição provisória, pois ainda não é formado. Ele prestou Música, mas entrou na segunda opção no vestibular da Fuvest. Cursa Ciências da Natureza na EACH (Escola de Artes, Ciências e Humanidades), na USP-Leste.

Nicolas foi agredido por um sargento da PM, nesta segunda-feira, durante a desocupação da antiga sede do DCE Livre, o DCE ocupado – a alguns metros da sede da reitoria da USP. “Eu era o único negro lá, com dread”, disse ele ao blog Outro Brasil, por telefone, no fim da tarde.

A palavra dread remete ao estilo de cabelo rastafari. “Sem dúvida foi racismo. Ele foi falar comigo porque pensou que eu não era um estudante, e sim um traficante, algo assim. Tanto que se surpreendeu quando viu que eu era estudante”.

Ele conta que um guarda universitário ajudou o PM a segurá-lo, durante a agressão – naquele momento as imagens aparecem um pouco mais distantes no vídeo. Sobre o sargento que o agrediu, ele afirma: “O cara estava virado no capeta, não sei o que acontece. Tem de pagar as contas também, né. Mas não aceito.”

Nicolas diz que é conhecido dos guardas universitários. Até por ter sido um dos 73 estudantes presos durante a desocupação da reitoria, no início de novembro.

- Agora estou aqui, na endorfina, na adrenalina, tentando me livrar desse susto. Tive algumas escoriações, arranhões, cortes na mão. Mas fiquei com medo de ir à delegacia sozinho. Como tem o vídeo vou fazer depois o exame de corpo de delito. Estou esperando o advogado para ir fazer o boletim de ocorrência.

O estudante conta que não falou nada demais na hora em que o policial avança em sua direção. “Quando eu falo no vídeo, com o punho da mão fechado, estava dizendo que nós estávamos cuidando do espaço e que não precisávamos da reforma da reitoria. Ele não entendeu isso e veio pra cima de mim”.

O sargento pediu o documento e Nicolas disse que sua palavra bastava. “Aí ele me puxou da bancada”, confirmando o que se vê e ouve no vídeo veiculado pela internet. “Tentei me defender para não tomar um tapa na cara – ou um tiro na barriga, pois ele me apontou a arma”.

Nicolas fala com orgulho de seu projeto como músico, a banda BRs. O símbolo da banda tem um quadradinho antes do “s”. Ele conta que sua mãe insiste, diante das dificuldades, para ele priorizar o trabalho – pois a família depende de sua renda. Mesmo assim ele tenta conciliar tudo. “Minha mãe sabe da minha luta”.

O estudante atendeu a reportagem agitado, mesmo depois de uma noite sem sono – os estudantes ficaram em vigília nas últimas noites, por conta da ameaça de nova desocupação do espaço.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email