Pochmann: “Hoje há uma nova classe, a do precariado dos trabalhadores”

O professor de economia da Unicamp Márcio Pochmann avalia que a crise econômico "acaba onerando mais o trabalho, através não apenas do desemprego, mas da redução salarial, perda de direitos e uma proliferação do que se conceitua cada vez mais como uma nova classe, a do precariado dos trabalhadores. A precarização passa a ser a norma nesse capitalismo"/ para o estudioso, "a dificuldade está na política"

O professor de economia da Unicamp Márcio Pochmann avalia que a crise econômico "acaba onerando mais o trabalho, através não apenas do desemprego, mas da redução salarial, perda de direitos e uma proliferação do que se conceitua cada vez mais como uma nova classe, a do precariado dos trabalhadores. A precarização passa a ser a norma nesse capitalismo"/ para o estudioso, "a dificuldade está na política"
O professor de economia da Unicamp Márcio Pochmann avalia que a crise econômico "acaba onerando mais o trabalho, através não apenas do desemprego, mas da redução salarial, perda de direitos e uma proliferação do que se conceitua cada vez mais como uma nova classe, a do precariado dos trabalhadores. A precarização passa a ser a norma nesse capitalismo"/ para o estudioso, "a dificuldade está na política" (Foto: Leonardo Lucena)

247 - O professor de economia da Unicamp Márcio Pochmann avalia que a crise econômico "acaba onerando mais o trabalho, através não apenas do desemprego, mas da redução salarial, perda de direitos e uma proliferação do que se conceitua cada vez mais como uma nova classe, a do precariado dos trabalhadores. A precarização passa a ser a norma nesse capitalismo". Para o estudioso, "a dificuldade está na política. Não acredito que seja um problema técnico o que estamos vivendo hoje. No fundo, o nosso desafio é a construção de uma nova maioria que permita colocar em prática as soluções que estão aí na nossa mão". Os relatos foram publicados na Revista Forum.

Questionado se acredita em um pacto nacional, ele disse acreditar "que o pacto mesmo foi o ciclo político da Nova República, de 1985 até 2014. Quando você tem uma eleição e os que são derrotados não aceitam o resultado, como foi a partir de 2014, foi rompido o pacto e, com ele, um dos elementos que organizaram o período mais longevo da democracia brasileira iniciado em 85". "Outro elemento importante que garantiu este período foi a existência de um centro democrático. Um centro que evitava que você tivesse radicalidade para um lado ou para o outro. Era um centro político que governava o país. Esse centro desapareceu. Você não tem mais", afirmou.

Leia a íntegra

Ao vivo na TV 247 Youtube 247