Pochmann: Temer desmorona o sistema produtivo

O economista Márcio Pochmann afirmou que "o projeto neoliberal de Temer levou à asfixia das despesas públicas e à liberação do pagamento financeiro nos escandalosos juros, produzindo um rotundo fracasso pela estagnação da renda per capita, desnacionalização da economia e desmoronamento do sistema produtivo"

Pochmann: Temer desmorona o sistema produtivo
Pochmann: Temer desmorona o sistema produtivo (Foto: Esq.: Guilherme Santos - Sul 21 / Dir.: Darren Ornitz - Reuters)

247 - O economista Márcio Pochmann afirmou que "o projeto neoliberal de Temer levou à asfixia das despesas públicas e à liberação do pagamento financeiro nos escandalosos juros, produzindo um rotundo fracasso pela estagnação da renda per capita, desnacionalização da economia e desmoronamento do sistema produtivo".

"Enquanto a equipe econômica 'dos sonhos do mercado financeiro' preocupa-se em desmontar políticas públicas para direcionar recursos ao pagamento dos juros situados entre os mais altos do mundo, a população envelhece e a pobreza toma conta dos idosos no Brasil", disse ele em sua conta no Twitter.

"No governo neoliberal de Temer, as agências de regulação voltam a atuar como se fossem sindicatos de grupos econômicos. Exemplo disso é Agência Nacional de Saúde que entra na justiça em favor das empresas de saúde e libera aumento de 10% nos planos, mais 40% nos exames em 6 meses", acrescentou.

De acordo coma norma da ANS, pacientes deverão pagar até 40% no caso de haver cobrança de coparticipação em cima do valor de cada procedimento realizado com planos de saúde. Coparticipação é pagar, além da mensalidade do plano de saúde, uma parte do preço da consulta, do exame ou do procedimento. A franquia é um valor estabelecido em contrato - neste caso, a operadora do plano de saúde não se responsabiliza. Também é um valor a mais, fora da mensalidade.

O Brasil 247 quer a sua ajuda para tomar decisões importantes. Participe da pesquisa

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247