Policiais mataram mais de 3 mil pessoas no Brasil em 2014

Dados da 9ª edição do Anuário de Segurança Pública, que será lançado na próxima semana pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que policiais civis e militares mataram pelo menos 3.022 pessoas no Brasil em 2014, uma média de oito por dia; essas mortes por policiais em 2014 representam crescimento de 37% em relação a 2013, puxado principalmente pelo avanço da letalidade em SP (57,2%) e Rio (40,4%); e em 2015 as taxas continuam em alta nesses dois estados

Dados da 9ª edição do Anuário de Segurança Pública, que será lançado na próxima semana pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que policiais civis e militares mataram pelo menos 3.022 pessoas no Brasil em 2014, uma média de oito por dia; essas mortes por policiais em 2014 representam crescimento de 37% em relação a 2013, puxado principalmente pelo avanço da letalidade em SP (57,2%) e Rio (40,4%); e em 2015 as taxas continuam em alta nesses dois estados
Dados da 9ª edição do Anuário de Segurança Pública, que será lançado na próxima semana pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que policiais civis e militares mataram pelo menos 3.022 pessoas no Brasil em 2014, uma média de oito por dia; essas mortes por policiais em 2014 representam crescimento de 37% em relação a 2013, puxado principalmente pelo avanço da letalidade em SP (57,2%) e Rio (40,4%); e em 2015 as taxas continuam em alta nesses dois estados (Foto: Romulo Faro)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - Dados da 9ª edição do Anuário de Segurança Pública, que será lançado na próxima semana pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, revelam que policiais civis e militares mataram pelo menos 3.022 pessoas no Brasil em 2014, uma média de oito por dia.

Essas mortes por policiais em 2014 representam crescimento de 37% em relação a 2013, puxado principalmente pelo avanço da letalidade em SP (57,2%) e Rio (40,4%).

E em 2015 as taxas continuam em alta nesses dois estados. Em São Paulo, PMs são os principais suspeitos de comandar a chacina de 19 pessoas em Osasco e Barueri, em agosto.

Em outro caso recente em SP, PMs foram presos após o assassinato de dois suspeitos já rendidos na capital –um deles atirado de um telhado. Esse crime foi registrado em vídeo, assim como no caso desta semana no Rio no qual policiais tentaram forjar um tiroteio diante do corpo de um jovem morto.

PUBLICIDADE

Para o sociólogo Renato Sérgio de Lima, vice-presidente do fórum, esses casos são exemplos de uma política de combate à violência equivocada. "É mais uma evidência, de tantas outras, de que o sistema de polícia no país precisa mudar. Há uma falência do modelo de polícia, de enfrentamento", diz ele ao jornal Folha de São Paulo.

Outro número negativo é o alto índice de policiais também assassinados no país: 398 no ano passado. Esse ranking é puxado por Rio (98), SP (91) e AM (30). "Eles também são caçados. Você acabou criando a dinâmica da "vendetta" [vingança]. Quem mata e quem morre primeiro. O Estado tem que ser mais eficiente em interromper essa guerra", disse o vice-presidente do fórum.

PUBLICIDADE

Embora tenham 29% da população, as polícias paulista e fluminense foram responsáveis por 51,3% de todas as mortes praticadas por policiais em 2014 –o que inclui dados de PMs e policiais civis de, de folga e em serviço.

Mas o fórum faz uma ressalva. SP e RJ podem representar fatia menor no cenário nacional, porque outros estados resistem a dar informações. Assim, as 3.022 mortes são dados subestimados.

PUBLICIDADE

Para o coronel Álvaro Camilo, ex-comandante da PM de SP e hoje deputado estadual pelo PSD, um dos motivos do crescimento da letalidade é a ação dos próprios criminosos. "A impunidade fez com que o infrator passasse a ficar mais agressivo. Ele está enfrentando mais a polícia", afirma o deputado à Folha.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email