Políticos e membros do Judiciário avaliam que Bolsonaro se enfraqueceu e ruptura entre ele e Mandetta é irreversível

A entrevista do ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, anunciando que vai continuar à frente da pasta mostrou o rompimento irreversível entre ele e Bolsonaro. Na opinião de membros do Judiciário e do Legislativo, ficou patente o enfraquecimento de Bolsonaro

Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta
Jair Bolsonaro e Luiz Henrique Mandetta (Foto: ADRIANO MACHADO/REUTERS)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A entrevista de Luiz Henrique Mandetta realizada nesta segunda-feira (6) à noite na sede do Ministério da Justiça, selou o desprestígio de Bolsonaro como chefe do Poder Executivo e deixou à mostra a sua derrota política. 

Mandetta montou um cenário e traçou um roteiro para reforçar o seu respaldo político e deixar marcado o fracasso de Bolsonaro na tentativa de afastá-lo.  

Não faltaram manifestações de apoio de representantes de entidades, agradecimentos à imprensa e ao corpo funcional da pasta. 

O Painel da Folha de S.Paulo destaca que membros do Poder Judiciário, observam que a desmoralização de Bolsonaro ficou ainda mais evidente quando Mandetta teve, de novo, de desdenhar do uso da cloroquina antes da comprovação científica. 

Nos meios parlamentares a ruptura entre Bolsonaro e Mandetta é irreversível. De acordo com a coluna, a  decisão do Ministério da Saúde de flexibilizar as medidas de isolamento a partir do dia 13 de abril, pode, na melhor das hipóteses, diminuir uma parte do confronto entre o chefe do Executivo e o ministro. 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email