Políticos gaúchos querem revisão de leis para boates

Governador Tarso Genro disse que irá trabalhar para rever a maneira como as fiscalizações são feitas; para a senadora Ana Amélia (PP), episódio em Santa Maria remete a necessidade de se rediscutir a liberação de alvarás; já o senador Paulo Paim (PT) pediu ponderação na hora de apontar os culpados pelo acidente

Políticos gaúchos querem revisão de leis para boates
Políticos gaúchos querem revisão de leis para boates
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Mariana Jungmann
Enviada Especial da Agência Brasil

Santa Maria (RS) - Senadores e o governador do Rio Grande do Sul estiveram nesta segunda-feira 28 no Centro Desportivo Municipal de Santa Maria para uma visita às famílias que ainda permanecem velando os corpos das vítimas do incêndio na Boate Kiss. No local, o governador Tarso Genro disse que irá trabalhar para rever a maneira como as fiscalizações são feitas e a legislação sobre o assunto.

"Vamos trabalhar hoje com o Ministério Público. Temos de aproveitar um momento trágico como este para fazer uma revisão na legislação municipal, principalmente o quê [fiscalizar] e quem fiscaliza o funcionamento dessas casas, e sugerir aos prefeitos que façam essas modificações", disse Genro.

Tarso Genro, no entanto, disse que é preciso haver corresponsabilidade entre os governos sobre o assunto e aguardar a apuração sobre o que ocorreu na tragédia de Santa Maria, antes de emitir um juízo sobre o assunto. "Isso [a falta de fiscalização] é o inquérito que tem que trabalhar. O Poder Público precisa dar uma resposta muito forte, muito firme, com um inquérito isento e muito correto", disse o ministro sobre as responsabilidades no incêndio.

Para a senadora Ana Amélia (PP-RS), o episódio também remete a uma necessidade de se rediscutir a maneira como a liberação e a fiscalização de alvarás de funcionamento são feitas. "A lição que fica da tragédia é que, lamentavelmente, é um preço muito caro que nós estamos pagando para aprender que as autoridades precisam ter esse cuidado rigoroso, a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros, para liberar estabelecimentos que atendem a um público tão grande como esse", disse a senadora.

Na opinião da senadora, houve problemas de legislação e de fiscalização e uma das soluções seria que as cidades adotassem e cumprissem os planos diretores. "Para saber como é que tem que funcionar uma loja, um consultório dentário, um escritório de advocacia e como deve funcionar uma casa para entretenimento que vai chamar muita gente como essa. É preciso que haja uma atenção muito grande, porque isso é interesse público e não pode haver desleixo em relação a isso", completou.

Já o senador Paulo Paim (PT-RS) pediu ponderação na hora de apontar os culpados pelo acidente. Segundo ele, o melhor é deixar passar o momento da emoção antes de avaliar as melhores formas de prevenir tragédias como esta. "Acho que o momento é de solidariedade total para depois encaminharmos essa discussão ao Congresso para aprimorar a legislação", avaliou.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247