'Prazo de 5 dias para aprovar vacinas contra a Covid-19 é irreal', diz presidente da Anvisa

A declaração de Antônio Barra Torres foi sobre a medida provisória aprovada na pelo Senado que estabelece prazo de até cinco dias para que a agência autorize o uso emergencial no Brasil de vacinas contra a Covid-19 que já tenham aval internacional

Antonio Barra Torres Torres
Antonio Barra Torres Torres (Foto: Leopoldo Silva/Agência Senado)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Segundo o presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), Antônio Barra Torres, o prazo de cinco dias para a aprovação de vacinas no Brasil é "irreal". A afirmação foi feita nesta sexta-feira, 5, em entrevista à Globo.

A declaração do chefe da Anvisa foi sobre a medida provisória, aprovada na quinta-feira, 4, pelo Senado, que estabelece prazo de até cinco dias para que a agência autorize o uso emergencial no Brasil de vacinas contra a Covid-19 que já tenham aval internacional.

De acordo com a Globo, a Anvisa vai pedir que o prazo seja vetado por Jair Bolsonaro. "Esse prazo foi definido hoje pelo nosso gerente geral de medicamentos, doutor Gustavo Mendes, como um prazo irreal. Eu comungo integralmente da opinião dele. Esse prazo é um prazo que, inclusive, nós não sabemos da onde ele vem", disse Barra Torres.

"Nós temos acesso a todas as publicações regulatórias internacionais, participamos de todos os grupos de discussão, temos interlocução com agências internacionais e não temos a informação da onde veio esse prazo de cinco dias que foi para nós arbitrado", completou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email