“Pretexto para impeachment é golpe”, diz Cardozo

"Não é possível que conversas telefônicas que poderiam envolver eventuais informações a serem investigadas não sejam remetidas ao Supremo Tribunal Federal. E mais: divulgadas à imprensa", criticou o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, em encontro com juristas em defesa da legalidade e da democracia; ministro também afirmou entrará com uma ação junto ao STF para que a corte defina os limites das autoridades públicas em relação a inviolabilidade do sigilo telefônico; sobre o processo de impeachment, disse ser "clamorosamente ofensivo à Constituição"

"Não é possível que conversas telefônicas que poderiam envolver eventuais informações a serem investigadas não sejam remetidas ao Supremo Tribunal Federal. E mais: divulgadas à imprensa", criticou o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, em encontro com juristas em defesa da legalidade e da democracia; ministro também afirmou entrará com uma ação junto ao STF para que a corte defina os limites das autoridades públicas em relação a inviolabilidade do sigilo telefônico; sobre o processo de impeachment, disse ser "clamorosamente ofensivo à Constituição"
"Não é possível que conversas telefônicas que poderiam envolver eventuais informações a serem investigadas não sejam remetidas ao Supremo Tribunal Federal. E mais: divulgadas à imprensa", criticou o advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, em encontro com juristas em defesa da legalidade e da democracia; ministro também afirmou entrará com uma ação junto ao STF para que a corte defina os limites das autoridades públicas em relação a inviolabilidade do sigilo telefônico; sobre o processo de impeachment, disse ser "clamorosamente ofensivo à Constituição" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O advogado-geral da União, José Eduardo Cardozo, fez um duro discurso em defesa da legalidade e da democracia, durante o encontro de juristas com a presidente Dilma Rousseff. Ele também disse que irá ingressar com uma ação junto ao Supremo Tribunal Federal (STF) para que a corte defina os limites das autoridades públicas em relação a inviolabilidade do sigilo telefônico.

"Não é possível que conversas telefônicas que poderiam envolver eventuais informações a serem investigadas não sejam remetidas ao Supremo Tribunal Federal. E mais: divulgadas à imprensa", disse Cardozo em referência a divulgação das conversas telefônicas mantidas entre a presidente Dilma Rousseff e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que foram divulgadas pelo juiz Sérgio Moro.

Cardozo anunciou que o governo entrará no Supremo Tribunal Federal com uma Ação de Controle de Constitucionalidade, para que o STF defina os limites em relação às prerrogativas da Presidente da República, "para que não se volte a repetir estas atitudes", referindo-se à divulgação ilegal dos grampos.

"Ao longo desses 12 anos, dentro da lei, a Polícia Federal recebeu plena autonomia para investigar. Em nenhum momento houve a nomeação de pessoas fora da lista para a Procuradoria Geral da República, para não sermos acusados de nomear um engavetador geral", disse o advogado-geral da União, acrescentando que é preciso lutar contra "retrocessos".

"O processo de impeachment contra Dilma é clamorosamente ofensivo à Constituição. Ele nasce vinculado a um pecado original, um desejo de vingança", afirmou. "Nesse momento em que vivemos, tentam utilizar um simulacro para um golpe", completou.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247