'Previdência será aprovada do jeito que o Maia quiser', diz líder do PSL

As negociações do governo com líderes do Centrão - PP, PR, PRB, DEM e Solidariedade - em torno de um novo texto para a proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência têm deixado claro quem "dá as cartas" e qual será o modelo previdenciário que sairá do plenário da Câmara, após todas as fases da tramitação por lá. É a opinião do líder do PSL na Casa, partido do presidente Jair Bolsonaro, Delegado Waldir (GO)

'Previdência será aprovada do jeito que o Maia quiser', diz líder do PSL
'Previdência será aprovada do jeito que o Maia quiser', diz líder do PSL (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)

247 - As negociações do governo com líderes do Centrão - PP, PR, PRB, DEM e Solidariedade - em torno de um novo texto para a proposta de emenda à Constituição (PEC) da reforma da Previdência têm deixado claro quem "dá as cartas" e qual será o modelo previdenciário que sairá do plenário da Câmara, após todas as fases da tramitação por lá. É a opinião do líder do PSL na Casa, partido do presidente Jair Bolsonaro, Delegado Waldir (GO). "A reforma da Previdência será aprovada do jeito que o Rodrigo Maia e o Centrão quiserem. São eles que dão as cartas agora", avaliou o deputado na tarde deste sábado (20) ao Congresso em Foco. A reportagem é do Congresso em Foco. 

Desde quarta (17), o secretário especial da Previdência, Rogério Marinho, conversa com líderes do Centrão para chegar a um acordo sobre o texto que deve ser aprovado na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) - a sessão foi convocada para a próxima quarta (23), às 14h30. Até o momento, há entendimento sobre a retirada de três pontos: mudanças nas regras de pagamento do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), o foro para julgamento de ações contra a União, e o que ficou conhecido como PEC da Bengala, que é forma de definir a aposentadoria compulsória de servidores públicos.

Para o líder do PSL, as concessões no texto da PEC já deveriam ter sido implementadas antes. "Ou aceitamos as alterações do centro, ou somos derrotados na CCJ. O governo demorou a perceber isso".

Nada do que sairá da proposta no colegiado deve gerar impacto na economia esperada com a reforma, de R$ 1,1 trilhão e, conforme disse Marinho não muda a "espinha dorsal" da PEC. Na segunda, porém, haverá mais conversas. Isso porque o secretário prometeu apresentar itens de desconstitucionalização que podem ser vetados do texto ainda na comissão de Justiça. Ao todo, a PEC traz 61 deles.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247